Quinta, 03 de Dezembro de 2020
    |  Fale connosco  |   Assinante    
 

Covid-19: Poucos professores testam no Cuanza Norte


07 Outubro de 2020 | 18h00 - Actualizado em 07 Outubro de 2020 | 18h00

Momento da colheita de sangue para o teste rápido à covid-19, processo (Arquivo) Foto: António Escrivão

Ndalatando - Apenas 75 professores, dos 287 previstos, compareceram, nesta quarta-feira, ao posto de testagem contra a Covid-19, criado pelas autoridades sanitárias da província do Cuanza Norte para o rastreio dos docentes oriundos da cerca sanitária de Luanda para a retomada da actividade lectiva.


A informação foi prestada pelo responsável do departamento de ensino do Gabinete Provincial da Educação, António da Costa, aclarando que a fraca adesão ao posto do Zenza-do-Itombe (limítrofe entre Cuanza Norte e Luanda), terá resultado do facto de a maioria dos professores terem recorrido ao rastreio antecipado na capital.

Referiu que depois do Zenza-do-Itombe, o mesmo processo será direccionado aos professores do Cazengo (município sede da província), seguido de Cambambe, enquanto os demais serão organizados por regiões que deverão congregar docentes de duas ou mais municipalidades.

António da Costa apontou a previsão de testagem de 500 professores ao nível da província, e justificou a existência de alguns constrangimentos técnicos e organizativos com o atraso do processo que estava anteriormente previsto para a semana transacta.

Enquanto aguardam à submissão aos testes contra a Covid-19, referiu o chefe do departamento de Ensino do Gabinete Provincial da Educação, grande parte dos professores tem estado a comparecer nos seus locais de serviço, embora reconheça que tal situação representa um risco para o corpo docente e alunos.

Por outro lado, o responsável disse não haver ainda garantias para a testagem massiva dos alunos, por ser uma medida dependente da criação de condições por parte das autoridades sanitárias.

O responsável disse igualmente, ter sido acautelado o reforço das medidas de biossegurança, como o uso obrigatório da máscara, instalação de torneiras para a lavagem das mãos e disponibilização de produtos de higienização a nível das várias escolas da província.

Já o responsável da empresa contratada para a criação das condições de higienização nas escolas do Cazengo (município sede da província), Paulo de Lima Nogueira disse terem sido instaladas, até ao momento, mais de 500 torneiras (em série) em cerca de 40 unidades de ensino.

Esclareceu que as escolas do segundo ciclo beneficiaram da instalação de 40 a 50 torneiras, enquanto nas escolas primárias e do primeiro ciclo foram aplicadas 10 torneiras/cada, conectadas à rede geral de distribuição de água ou agregadas a reservatórios de 200 litros.

O sector da Educação no Cuanza Norte controla actualmente 407 escolas, distribuídas pelos 10 municípios da província. No presente ano lectivo, estão matriculados 171 mil 559 alunos, da iniciação ao segundo ciclo, assegurados por 5 mil 117 professores.