Quinta, 03 de Dezembro de 2020
    |  Fale connosco  |   Assinante    
 

Presença de pais marca regresso às aulas


19 Outubro de 2020 | 16h53 - Actualizado em 19 Outubro de 2020 | 17h36

alunos e professores retomam às salas de aulas no país Foto: José Cachiva

Luanda - A presença de pais e encarregados de educação nas escolas marcou o primeiro dia do retorno às aulas dos alunos da 7ª, 8ª, 10ª e 11ª classes do I e II ciclo do ensino secundário.


O regresso em massa dos alunos insere-se na estratégia de retorno gradual das aulas, suspensas desde Março, por causa da Covid-19.

No âmbito deste cronograma, elaborado pelo Governo, às aulas recomeçaram a 05 de Outubro, nas classes de transição (6.ª, 9.ª, 12.ª e 13.ª classes).

Nesta mesma data, no cumprimento da estratégia de regresso gradual, recomeçaram as aulas em todo o sistema universitário do país.

Está previsto para o dia 26 deste mês o recomeço das aulas no ensino primário (da 1.ª à 5.ª classe), que inclui a maior franja do sistema de ensino.

Nesta nova fase, as turmas devem ser divididas em grupos de até 20 alunos. No ensino primário e I ciclo, as aulas têm a duração de 02h30, ao passo que no II ciclo do ensino secundário será de  03h30. Neste formato, não haverá intervalos.

Nesta segunda-feira, pais e encarregados fizeram questão de aferir as condições das instituições de ensino para determinar o retorno dos filhos às salas de aulas.

Ao contrário de pais e encarregados de educação, alguns alunos, apesar de em número reduzido, fizeram-se presentes nas salas de aulas, munidos de equipamento necessários para o dia do retorno.

Na capital da província do Zaire, por exemplo, as escolas registaram presença considerável de estudantes, tendo em conta a exigência de 50 por cento de discentes em cada turma, em obediência à medida de distanciamento físico.

Cenário idêntico foi registado nas escolas da cidade do Cuito (Bié), onde os discentes, que já tinham as informações sobre a composição dos turnos, fizeram questão de responder positivamente às orientações do Governo.

No entanto, a grande preocupação das escolas é a falta de termómetros para a medição da temperatura aos alunos, antes de acederem às salas de aulas. 

Em Menongue, capital do Cuando Cubango, alunos e professores fizerma, igualmente, questão de marcar presenças nas salas de aulas.

Em algumas escolas do I e II ciclo do ensino secundário de Menongue registou-se um cenário bastante satisfatório, com discentes e docentes em grande número.

Munidos dos equipamentos de biossegurança (álcool em gel e máscaras faciais), alunos e professores mostraram sentido de responsabilidade de compromisso para com o futuro.

Na cidade de Ndalatando, capital do Cuanza Norte, o dia foi marcado, também, por uma presença massiva de alunos e professores nas unidades de ensino, empenhados no cumprimento rigoroso das medidas de biossegurança.

O ano lectivo 2020, em Angola, foi interrompido em Março deste ano, para evitar a propagação da pandemia da Covid-19 na classe estudantil.

O retorno faseado às aulas começou no dia 05 de Outubro com as classes de transição do ensino primário, I e II ciclo do ensino secundário e o subsistema do ensino superior, obedecendo às medidas de biossegurança, protecção individual e colectiva contra a Covid-19.

 Para o efeito, as escolas tiveram que aprimorar as medidas de prevenção contra à Covid-19, colocando pontos de lavagem das mãos na entrada dos estabelecimentos, aliada ao distanciamento que deve existir entre alunos nas salas de aula, repartidos em subgrupos.

Angola controla um total de 18 mil e 297 escolas, com 97 mil e 459 salas de aulas em funcionamento no ensino geral, no ensino público, e dois mil colégios.

As escolas do ensino geral (públicas) têm mais de 10 milhões de alunos, enquanto as pública-privadas e privadas (entre as quais 666 de Luanda) acolhem um milhão e 500 alunos.

O sector  conta com 200 mil professores.

O ensino superior possui oito universidades públicas, sete institutos superiores públicos e 57 instituições privadas do ensino superior, entre universidades e institutos superiores politécnicos, onde estão matriculados pelo menos 200 mil estudantes.