Domingo, 28 de Fevereiro de 2021
    |  Fale connosco  |   Assinante    
 

Peru: Ministro da Defesa do Peruano demite-se em protesto pelo perdão a Fujimori


04 Janeiro de 2018 | 09h25 - Actualizado em 04 Janeiro de 2018 | 12h22

PERÚ: PROTESTOS

Foto: ERNESTO BENAVIDES



Lima - O ministro da Defesa do Peru demitiu-se quarta-feira em protesto contra o perdão concedido pelo chefe de Estado, Pedro Pablo Kuczynski, ao ex-Presidente Alberto Fujimori, condenado por crimes contra a humanidade, noticiou a Reuters.


"Sim, demitiu-se", disse uma fonte, que pediu o anonimato, do Ministério da Defesa peruano.

A demissão de Nieto, político de esquerda, acontece uma semana depois da saída do ministro da Cultura, Salvador del Solar, também na sequência da decisão do chefe de Estado peruano.

A 30 de Dezembro, mais de 230 escritores peruanos, incluindo o prémio Nobel Mario Vargas Llosa, assinaram um manifesto a qualificar o perdão presidencial concedido a Fujimori de "ilegal e irresponsável".

Fujimori, Presidente do Peru de 1990 a 2000, cumpria uma pena de 25 anos por corrupção e crimes contra a humanidade. O perdão da pena foi concedido a 24 de Dezembro por Kuczynski.

A decisão suscitou várias críticas no estrangeiro e desencadeou manifestações no país, durante as quais Kuczynski foi acusado de ter negociado o perdão em troca da sua manutenção no poder com o apoio do movimento político fundado por Fujimori.

A 22 de Dezembro, algumas horas depois do parlamento rejeitar a destituição de Kuczynski, o ministro do Interior, Carlos Basombrio, apresentou a demissão.

O actual chefe de Estado peruano era acusado de corrupção pelas ligações a uma  empresa brasileira, e reconheceu ter feito pagamentos de cerca de cinco milhões de dólares a empresas directamente ligadas a Kuczynski, na altura ministro (2004-2013).

Alberto Fujimori foi condenado em 2009 por corrupção e crimes contra a humanidade por ter ordenado o assassínio de 25 pessoas por um esquadrão da morte durante a guerra contra os guerrilheiros do Sendero Luminoso (extrema-esquerda maoísta).

O antigo Presidente de origem japonesa está, desde 23 de Dezembro, internado numa clínica em Lima.