Domingo, 24 de Janeiro de 2021
    |  Fale connosco  |   Assinante    
 

Johnson pede votos para evitar desastre e Corbyn pela esperança


12 Dezembro de 2019 | 08h38 - Actualizado em 12 Dezembro de 2019 | 10h47

Boris Johnson, Primeiro Ministro Britânico (arquivo)

Foto: Divulgação



Londres - O primeiro-ministro britânico encerrou quarta-feira a campanha eleitoral com um apelo ao "dever nacional de encontrar todos os votos que salvem o país do desastre", enquanto o líder trabalhista fez um último apelo ao voto "pela esperança", noticiou a Lusa.


Boris Johnson e Jeremy Corbyn fizeram hoje à noite em Londres os seus últimos comícios da campanha, com um derradeiro apelo ao voto nas eleições de quinta-feira.

No seu discurso, o líder do Partido Conservador e primeiro-ministro cessante, Boris Johnson, disse aos seus apoiantes que "a corrida está apertada e a apertar".

"Temos um dever nacional de encontrar todos os votos que conseguirmos para salvar o país do desastre", disse Johnson, para quem um voto em qualquer outro partido levaria a um parlamento dividido e ao desastre económico.

Recordando que Jeremy Corbyn tenciona fazer um segundo referendo sobre o 'Brexit' -- que o primeiro-ministro promete concretizar -- Johnson afirmou: "Vamos ser neutros em carbono até 2050 e neutros em Corbyn até ao Natal".

No comício de encerramento dos Trabalhistas, Jeremy Corbyn fez um último apelo ao voto "pela esperança" e "por uma mudança real".

"Estamos numa bifurcação na estrada. A escolha que vocês enfrentam, o povo deste país,  é verdadeiramente histórica", disse o líder trabalhista, alertando que o primeiro-ministro e candidato do Partido Conservador, Boris Johnson "não manterá tudo na mesma".

"Ele piorará as coisas. Ele abrirá o nosso NHS (serviço nacional de saúde, na sigla inglesa) às megacorporações americanas e continuará com mais cortes", acrescentou, insistindo num tema que tem sido central na campanha trabalhista.

É por isso, sublinhou, que o Presidente norte-americano, Donald Trump, "quer que os Conservadores de Boris Johnson ganhem".

Garantindo que não se deixará intimidar pelos ataques "implacáveis" dos media contra os Trabalhistas, e lembrando que "grande parte desses mesmos media pertence a bilionários", Corbyn garantiu que "eles não vencerão": "Criaremos uma sociedade inclusiva e esperançosa".

"Amanhã vocês podem chocar o 'establishment' votando pela esperança. Esperança em vocês próprios. Esperança pelas vossas famílias. Esperança pelas vossas comunidades. Esperança pelo nosso serviço nacional de saúde. Esperança pelo nosso país", disse o líder trabalhista.

O Reino Unido vota hoje ( quinta-feira), numas eleições antecipadas pelo Governo para tentar desbloquear o impasse criado no parlamento sobre o processo de saída do país da União Europeia (UE).

O Partido Conservador de Boris Johnson quer recuperar uma maioria absoluta que lhe permita concretizar o 'Brexit', já várias vezes bloqueado pelo Parlamento, enquanto o Partido Trabalhista quer travar o acordo de saída negociado por Johnson em Bruxelas, prometendo renegociar os termos e submeter o resultado a referendo.

Uma sondagem divulgada na terça-feira aponta para uma redução da vantagem dos Conservadores sobre o Partido Trabalhista, e projectar uma maioria absoluta para Boris Johnson de 339 deputados, contra 359 há duas semanas atrás.

A margem de erro da sondagem admite uma maioria maior, mas também um parlamento dividido (hung parliament), quando nenhum dos dois principais partidos tem maioria absoluta que permita formar um governo sem apoio de outras formações mais pequenas.