Quinta, 03 de Dezembro de 2020
    |  Fale connosco  |   Assinante    
 

Número de mortos devido à passagem do Dorian nas Bahamas aumenta para 30


06 Setembro de 2019 | 08h59 - Actualizado em 06 Setembro de 2019 | 14h00

Mapa das Bahamas Foto: Divulgação

Grande Bahama - O balanço da passagem do furacão Dorian pelas Bahamas subiu de 20 para 30 o número de mortos, um registo que pode ainda aumentar, anunciou na quinta-feira o ministro da Saúde deste arquipélago nas Caraíbas citado pela Lusa.


Duane Sands admitiu que o número de mortos possa ser "significativamente maior", à medida que as equipas de resgate prosseguirem com as missões de busca.

Os corpos das vítimas foram encontrados nas ilhas Ábaco e ilha da Grande Bahama, acrescentou.

O Dorian afectou fortemente o arquipélago, sobre o qual permaneceu por muito tempo, quase imóvel, com chuvas torrenciais.

Segundo o primeiro-ministro das Bahamas, Hubert Minnis, 60 por cento de Marsh Harbour, a principal cidade das Ábaco, ficou destruída. O aeroporto ficou sob a água, com a pista inundada, e toda a zona parecia um lago.

Os ventos fortes e as águas castanhas e lamacentas destruíram ou danificaram gravemente milhares de casas, incapacitando a actividade de hospitais e deixando muitas pessoas presas em sótãos.

As Bahamas foram atingidas no domingo pelo mais forte furacão registado na história do arquipélago, que fustigou, principalmente, as ilhas Ábaco e Grande Bahama, com ventos até 295 quilómetros por hora e chuvas torrenciais, antes de seguir na terça-feira em direcção à Florida.

O furacão Dorian atingiu na quinta-feira os estados norte-americanos da Carolina do Norte e do Sul com ventos violentos, tornados e chuvas laterais, tendo sido atribuídas à tempestade pelo menos quatro mortes no sudeste dos Estados Unidos.

As quatro mortes ocorreram na Florida e na Carolina do Norte e as vítimas foram homens que caíram ou foram electrocutados quando aparavam árvores ou preparavam as habitações para enfrentarem o furacão.

O Dorian arrancou telhados, inundou ruas e deixou mais de 250 mil habitações e empresas sem energia, enquanto avançava para norte, ao longo da costa norte-americana, embora os seus ventos tenham diminuído dos 175 para os 165 quilómetros por hora.