Quarta, 02 de Dezembro de 2020
    |  Fale connosco  |   Assinante    
 

Feira do Dondo com fraca movimentação


30 Novembro de 2019 | 19h32 - Actualizado em 30 Novembro de 2019 | 19h12

Feira de Artesanáto do Dondo Foto: Diniz Simão

Dondo- Os expositores da X edição da feira do artesanato do Dondo, município de Cambambe, província do Cuanza Norte, manifestaram-se, neste sábado, insatisfeitos com a fraca movimentação de visitantes e feirantes no evento, organizado pelo governo provincial e o Ministério da Cultura.


Em declarações à Angop, alguns expositores lamentaram o facto de, ao contrário das edições anteriores, ter se registado uma baixa movimentação na feira.

Receiam também por uma redução nas vendas dos seus artigos, sobretudo peças de arte, frustrando a expectativa inicial que os motivou à participação no evento, devido a baixa movimentação de visitantes.

O artesão Adélio Sebastião, do município do Lucala,  salientou que o balanço deste segundo dia de vendas é negativo, facto que considera desconfortável, uma vez que a intenção, desde o lançamento desta feira, há 10 anos, é de comercializar.

Atribuiu o mau ambiente de negócios na presente edição da feira, a falta de calendário fixo para a realização do evento, o que não permitiu aos feirantes e visitantes fazerem uma programação, tendo em vista o certame.

Para si, a fraca divulgação do evento pode estar também na origem da pouca adesão de turistas ao local da feira.

Lembrou que a dimensão já alcançada pela Feira do Dondo seria uma ocasião para o governo interceder junto da banca, para financiar os artistas, para aumentar a produção do artesanato e contribuir na criação de empregos nas comunidades, através da contratação de mão-de-obra, para apoiar a confecção das suas obras.

Já a estilista Maria Songo, da província de Cabinda, defende a necessidade da divulgação atempada do certame, quer por via dos canais institucionais, como nos órgãos de comunicação social, para facilitar a preparação dos turistas.

Frisou que a actual situação económica do país implica a contenção de gastos e as despesas devem ser devidamente planificadas com antecedência.

Já a oleira Josefa Pedro Gonçalves, do município de Cambambe, manifestou o seu cepticismo quanto ao futuro da feira caso não sejam acauteladas as razões que estão a influenciar negativamente a presente edição.

Defendeu a necessidade da organização começar a trabalhar no projecto da próxima edição tão logo termine uma, contrariamente ao que acontece, em que só se verificam movimentos a escassos dias do arranque evento.

A X edição da Feira do Dondo, que decorre até domingo sob o lema “Dondo - local tradicional de convergência cultural e negócios”,  conta com a participação de 69 expositores.

Além de participantes de cinco dos 10 municípios da província do Cuanza Norte, conta ainda com o envolvimento de expositores de Luanda e Cabinda, com o propósito de criar negócios nas áreas do turismo, gastronomia, venda de produtos de origem agrícolas, artesanato, pintura, livros entre outros.