Domingo, 24 de Janeiro de 2021
    |  Fale connosco  |   Assinante    
 

Removida antena da RNA do centro histórico de Mbanza Kongo


18 Março de 2020 | 09h32 - Actualizado em 18 Março de 2020 | 09h32

Ministro da Comunicação Social, Nuno Caldas Albino, aquando da sua visita as instalações da RNA/Zaire

Foto: Cedida



Mbanza Kongo - A remoção da torre da Rádio Nacional de Angola (RNA) do centro histórico da cidade de Mbanza Kongo, província do Zaire, terminaram no último fim-de-semana, no quadro das recomendações da Unesco.


Os trabalhos de desmontagem da torre de 60 metros de altura tiveram início em Fevereiro deste ano e contaram com envolvimento de nove técnicos da Rádio Nacional de Angola (RNA) e da Televisão Pública de Angola (TPA).

Consta ainda das recomendações da Unesco, aquando da elevação da cidade de Mbanza Kongo a Património Mundial da humanidade, a retirada do aeroporto do centro da urbe, a requalificação das doze fontes de água, a elaboração do plano urbanístico do centro histórico de Mbanza Kongo, bem como a realização anual do FestiKongo, com a participação dos países que integravam o antigo Reino do Kongo.

O director do gabinete provincial da Comunicação Social do Zaire, Ernesto Lencastre, que avançou a informação nesta quarta-feira à Angop, disse que com a remoção da antena da rádio o Executivo angolano está a cumprir com as recomendações da Unesco aquando da ascensão da cidade de Mbanza Kongo na lista do património mundial.

A fonte informou que em substituição desta antena de 60 metros de altura será erguida uma outra fora da zona tampão da cidade.

Entretanto, fonte da emissora provincial do Zaire da RNA disse à Angop, que será montada nos próximos dias, na zona do Kianganga, bairro Sagrada Esperança, uma nova antena de 120 metros de altura para facilitar as emissões da rádio e televisão.

A fonte acrescentou que o sinal da rádio está a ser garantido por uma antena de 18 metros de altura montada no recinto desta estação radiofónica.

No mesmo âmbito, as operadoras de telecomunicações, nomeadamente a Unitel e AngolaTelecom também removeram as suas antenas metálicas do centro histórico de Mbanza Kongo.

Mbanza Kongo foi elevada a património mundial da humanidade a 17 de Julho de 2017 na sequência de uma sessão da Unesco realizada em Cracóvia, República da Polónia.