Domingo, 24 de Janeiro de 2021
    |  Fale connosco  |   Assinante    
 

Agentes culturais e turísticos acertam estratégia contra covid-19


19 Maio de 2020 | 19h26 - Actualizado em 20 Maio de 2020 | 10h41

Ministra da Cultura, Turismo E Ambiente, Adjany da Silva Freitas Costa

Foto: Pedro Parente



Luanda - Agentes culturais e operadores turísticos inscritos em associações beneficiarão de ajuda, face a restrição das suas actividades motivadas pela pandemia da covid-19, afirmou, nesta terça-feira, em Luanda, a ministra da Cultura, Turismo e Ambiente, Adjany Costa.


Durante um encontro de auscultação e contribuições sobre as medidas de alívio económico face à covid-19, a nível dos agentes turísticos e culturais, Adjany Costa referiu que serão aplicadas medidas a curto prazo, com vista a minorar a situação actual, mas que tudo dependerá da apresentação de uma proposta realística para mitigar os efeitos da pandemia.        

Segundo a ministra, existe já um grupo constituído por agentes culturais e turísticos que vão trabalhar em conjunto com técnicos do Ministério da Cultura, Turismo e Ambiente e  do Ministério da Economia e Planeamento, com vista a se encontrar uma proposta realística que visa aliviar os prejuízos derivado da pandemia da covid-19.     

Essas propostas serão submetidas para a sua avaliação e aprovação pelos diferentes órgãos do Estado.

Quanto as medidas de alívio económico no sector do turístico, os agentes propuseram a adopção de linhas de financiamento e créditos.

Por outro lado, o músico Kyaku Kyadaff sugeriu ao ministério de tutela que vele pelas políticas que visam salvaguardar a classe, bem como adoptar um Plano de Desenvolvimento Cultural Nacional, de modos a promover os hábitos e costumes do povo angolano, tanto do ponto de vista sociológico como linguístico.    

O artista sublinhou ainda que com soluções viáveis e políticas exequíveis, os artistas podem contribuir na potencialização do emprego a nível do país.

Os artistas e produtores participantes no encontro apelaram ainda ao alívio dos impostos cobrados, uma vez que se encontram parados e impossibilitados de pagamento de salários dos funcionários.