Segunda, 23 de Novembro de 2020
    |  Fale connosco  |   Assinante    
 

Irmãos Almeida comanda live no Kubico


25 Outubro de 2020 | 18h36 - Actualizado em 25 Outubro de 2020 | 18h51

Moniz de Almeida (arquivo) Foto: Pedro Parente

Luanda - Versátil em palco e com a voz bem afinada, Moniz de Almeida assumiu, neste domingo, as despesas da homenagem ao grupo Irmãos Almeida no quadro do programa Live no Kubico.


Em cerca de quatro horas de show, Moniz de Almeida, acompanhado por Jojó Gouveia, artista que fez a voz de Beto de Almeida (já falecido), foi ao baú das recordações buscar temas que marcaram a música angolana entre as décadas de 1980 e 1990, períodos em que o grupo era uma referência incontornável no país.

Fiel a si mesmo, Moniz, que fez questão de dedicar o show ao irmão falecido há sete anos, deu asas a imaginação e, mesmo apesar da idade, mostrou estar em forma para obrigar os telespectadores a saltar dos sofar, com alguns toques de dança.

Com o tema “África”, Moniz e Jojó Gouveia abriram a jornada que proporcionou aos telespectadores da TPA uma viagem de emoções e recordações de um passado recente.

Em quatro horas de show, numa miscelânea de ritmos e um guião bastante diversificado, Moniz e Jojó Gouveia rebuscaram, numa primeira parte, sucessos como “Acerca-te”, “Chefe é que sabe”, “Fico com as duas”, “Bandido”, “Houria”, “Mamã”, “Minha Viola”, preparando os corações da legião de fãs espalhados pelo país.

Com Sabino Henda, um dos convidados do dia, Moniz cantou “Cartinha da Saudade”, de autoria de Jacinto Tchipa, e uma rapsódia da rítmica popular do planalto central.

Interactivo, com os dois artistas a aproveitarem todos os momentos para deixar no ar mensagens ao público sobre a necessidade de prevenção contra a Covid-19, o guião inclui, entre outros, "Senta mais um pouco", canção escolhida para abrir a segunda parte do espectáculo, passando por “Tormento”, “Makuto”, “Marmelada”, "É duro", "Paciência", "Amor melaço", "Cara de pau”, Tio Zé", “Yara”, “Sofrimento”, “Guilhermina”.

Pelo meio, ainda houve tempo para homenagens a Carlos Burity e Mamborro, com a interpretação de alguns dos seus temas por intermédio de Mister Kim Faly.

Com Flay, outro convidado do dia, Moniz recordou alguns dos melhores tempos passados pelos palcos no país durante as mais de três décadas dedicadas à música angolana.

Sob acompanhamento instrumental da banda S&R, liderada por Hugo Macedo, o dia fechou em grande estilo e em alta rotação, com temas como “Ngapa” e “Morainha”.

Destinado à recolha de apoio para os mais vulneráveis, o "Live no Kubico" na TPA tem contado com a participação de artistas angolanos de referência.

Dele já participaram Paulo Flores/Bonga/Yuri da Cunha, no concerto "3 G do Semba", Anselmo Ralph, Matias Damásio, Euclides da Lomba/Patrícia Faria e Dom Cateano/Edmásia, os últimos 4 em duetos.

Transmitidos aos sábados, na TPA 2 e TPA Internacional, e aos domingos, na TPA 1,  promoveu também actuações de Ary, GabrielTchiema/Mito Gaspar, Calabeto/Puto Português e com os Jovens do Prenda,  Tunjila Tuajokota, Socorro e Baló Januário, e das divas Patrícia Faria, Yola Semedo e Edmázia, Ndengues do Kota Duro,  Sassa Tchokwe, Santos Católica, Proletário, Bessa Teixeira e o grupo Kumby Lyxya.

De igual modo, proporcionou o show com As Gingas do Maculusso e outras referências do music hall angolano nos anos 80, e outras actuações de artistas gospel.

Para além da TPA, o "Live no Kubico" é transmitido em directo, em várias redes sociais, em parceria com a Platina Line.