Segunda, 18 de Janeiro de 2021
    |  Fale connosco  |   Assinante    
 

Angola: Cananito Alexandre tido como grande exemplo para juventude


31 Janeiro de 2017 | 23h39 - Actualizado em 01 Fevereiro de 2017 | 00h08

Luanda - Políticos, artistas e populares renderam na noite desta terça-feira a última homenagem ao nacionalista e músico, Serafim Cananito Alexandre, falecido no domingo em Luanda por doença, aos 64 anos de idade, tendo sido qualificado como um grande exemplo para a juventude angolana.


Na casa de velório adjacente ao cemitério de Santa Ana, em Luanda, dirigentes políticos e várias personalidades transmitiram condolências aos familiares do antigo dirigente juvenil do MPLA, governador da província do Uíge e deputado da Assembleia Nacional.

Várias entidades rubricaram o livro de condolências, em cerimónia com choros e momentos de louvor e adoração.

Para o vice-presidente do MPLA, João Lourenço, trata-se de um filho que deu muito de si para o engrandecimento de Angola, tendo sido um grande exemplo para a juventude.

Adianta ser com sentimento de dor e pesar e que se despede do artista, que se destacou na música, e do político que desempenhou importante funções a nível do Estado e do MPLA, partido que sempre soube defender.

O presidente da Fundação Sagrada Esperança, Roberto de Almeida, disse que Cananito Alexendre que foi um bom servidor da pátria, dedicado e sempre pronto a trabalhar em prol do povo, manifestando sentimento de pesar à família.

Roberto de Almeida acredita que o finado ainda podia dar a sua contribuição em várias esferas do país.

O governador de Luanda, Higino Lopes Carneiro, disse ter transmitido a família palavras de consolação pela perda de alguém com quem mantinha relações de camaradagem, parentesco e amizade, que se notabilizou no exercício a suas funções no partido, na Assembleia Nacional e na governação da província do Uíge.

O presidente da comissão para a economia e finanças da Assembleia Nacional, Manuel Nunes Júnior, considera ser um momento muito triste, por se ter perdido um grande camarada que desde muito jovem se entregou na tarefa de fazer de Angola um país diferente, participando com toda a sua capacidade como jovem revolucionário na JMPLA.

Acrescenta que Cananito parte prematuramente e promete continuar a obra na qual se empenhou a bem dos angolanos.  

Para Manuel Víctor, antigo colega na JMPLA, infelizmente estamos todos de passagem neste mundo, mas Cananito era um bom dirigente, a quem devemos honrar continuando a luta para fazer de Angola um grande país, onde todos possam viver com alegria.

Temos de continuar em força para que os esforços dos que partiram e dos que ainda aqui estão não tenham sido em vão, afirmou Manuel Víctor.

Já Manuel Pinheiro lembra do desempenho do finado nos confrontos armados que se seguiram à Independência Nacional.

Ventura de Azevedo conta que trabalhou com Cananito no tempo do primeiro Presidente da República, António Agostinho Neto, na reestruturação da comissão nacional da JMPLA e mobilização da juventude, no quadro da educação patriótica, para a defesa da pátria.

Adianta que os esforços de mobilização e sensibilização da juventude se estenderam as zonas rurais e ao sector empresarial visando o desenvolvimento do país.

 O professor universitário Mário Pinto de Andrade descreve ter sido companheiro do finado na JMPLA nos primórdios da Independência Nacional, sublinhando que Cananito Alexandre teve também papel de relevo como governador provincial do Uíge logo depois dos acordos de Bicesse (Portugal), em 1990.

Declarou que Cananito foi um dos alicerces para a consolidação da JMPLA

Os restos mortais do nacionalista e músico Cananito Alexendre vão ser transladados na quarta-feira para a província do Uíge, para serem enterrados na quinta-feira na aldeia Banza Polo, localidade onde nasceu.

Serafim Cananito Alexandre integrou-se nas fileiras do MPLA antes da proclamação da Independência Nacional, tendo, na Angola independente, exercido, entre outras, as funções de governador da província do Uíge, de 1995 a 1998 e a de deputado à Assembleia Nacional, pelo respectivo círculo provincial eleitoral, de 1998 a 2008.