Terça, 19 de Janeiro de 2021
    |  Fale connosco  |   Assinante    
 

UNITA pede controlo da inflação face reajuste salarial


27 Janeiro de 2019 | 01h00 - Actualizado em 27 Janeiro de 2019 | 01h00

Cuito - O vice-presidente da UNITA, Raul Danda defendeu sábado na cidade do Cuito, província do Bié, medidas de combate à inflação, tendo em vista o anunciado reajuste salarial na função pública.


Raul Danda, que falava no acto de massas de abertura do ano político da UNITA na província, afirmou que os trabalhadores da função pública só verão a sua condição de vida melhorada, caso o Executivo angolano controle rapidamente a taxa da inflação que se regista no país.

“A nova tabela salarial da função pública entra em vigor este mês, numa altura em que os cidadãos continuam a registar a perda do poder de compra, por causa da inflação acumulada que nos últimos três anos, atingiu 116 porcento”, explicou.

Segundo ele, os ajustamentos que visam acabar com as assimetrias salariais no funcionalismo público e promover o equilíbrio na vida dos angolanos vão permitir que as famílias possam recuperar parte do poder de compra perdido nos últimos anos.

O político considerou preocupação da UNITA os impostos que brevemente entram em vigor que poderão comprometer a vida dos cidadãos, apelando o governo a reflectir melhor no assunto, bem como trabalhar melhoria das questões básicas, essencialmente nos sectores da energia e água, educação, saneamento básico e estradas.

Entretanto, a cerimónia serviu ainda para homenagear o líder e fundador do Galo Negro, Jonas Savimbi, o coordenador da UNITA para as províncias Huambo, Bié e Cuando Cubando, Manuel Savihemba, entre outras individualidades da organização nesta parcela do país.

O salário mínimo na função pública, na categoria de auxiliar de limpeza de 2.ª classe (categoria inferior na estrutura de carreiras do regime geral) passará de AKz 21 mil para AKz 33 mil, um aumento de 57 por cento.

Para os cargos de direcção e chefia, o chefe de secção (função de chefia inferior), com um salário actual de AKz 179 mil, passará a ganhar 250 mil.

O director nacional (cargo de chefia superior na função pública) sairá de um salário de AKz 340 mil para 394 mil kwanzas.

Para a carreira do pessoal técnico, com a categoria de técnico médio de 3.ª classe, o salário passará de 49 mil para 89 mil kwanzas, um aumento de 81 por cento.

Para professores catedráticos, que é a categoria superior dentro da função pública, o salário sairá de AKz 405 mil para 444 mil kwanzas.