Domingo, 17 de Janeiro de 2021
    |  Fale connosco  |   Assinante    
 

João Lourenço já em Doha para aprofundar relações com Qatar


07 Setembro de 2019 | 17h41 - Actualizado em 07 Setembro de 2019 | 18h57

Qatar: Chegada do Presidente João Lourenço

Foto: Cedida



Doha (dos enviados especiais) - O Presidente da República, João Lourenço, chegou, no início da noite deste sábado, à cidade de Doha, em visita oficial de dois dias ao Qatar, para explorar oportunidades de negócios entre os dois países.


À chegada, João Lourenço foi recebido pelo ministro dos Transportes do Qatar, Jassim Saif Al Sulaiti.

A jornada laboral do Chefe de Estado angolano prosseguirá domingo, de manhã (9 horas, em Doha, 7 em Luanda), com o encontro de cortesia com o sheik Abdullah bin Nasser bin Khalifa Al-Thani, primeiro-ministro do Qatar, num dos hotéis da capital catarense.

Para esta actividade, João Lourenço será acompanhado pelos ministros das Relações Exteriores, pelo director do seu gabinete, pelo secretário diplomático e de cooperação internacional e pelo embaixador de Angola acreditado nos Emirados Árabes Unidos.

No mesmo dia, seguirá ao Palácio Real do emir do Estado do Qatar, Tamim bin Hamad Al-Thani, num encontro que culminará com a assinatura de vários acordos, entre os quais dos sectores dos transportes marítimos e portos.

Tomarão parte deste encontro cinco ministros da comitiva que acompanha o Chefe de Estado angolano, nomeadamente o das Relações Exteriores, das Finanças, dos Recursos Minerais e Petróleos, dos Transportes, ministro e director do gabinete do Presidente e o secretário para os Assuntos Diplomáticos e de Cooperação Internacional.

Depois da cerimónia de assinatura de acordos, está previsto almoço oficial, a ser oferecido pelo emir do Qatar, sheik Tamim bin Hamad Al-Thani, a João Lourenço e à delegação que o acompanha.

De acordo com a agenda presidencial, o Chefe de Estado angolano visitará, no período da tarde deste domingo, a Fundação Qatar e o estádio de futebol, palco do Mundial 2022, a disputar-se naquele país do Golfo Pérsico.

À noite, manterá encontro com presidentes de várias esferas do sector empresarial do país mais rico do mundo e do qual farão parte alguns responsáveis de departamentos ministeriais de Angola.

Durante o momento de interacção entre os dirigentes máximos dos grupos empresariais catarenses (Câmara de Comércio e Associação Empresarial do Qatar) e a delegação presidencial, prevê-se uma breve intervenção do Chefe de Estado angolano.
 

Cooperação no domínio do petróleo e gás

Em Março deste ano, Manuel Augusto, ministro das Relações Exteriores, esteve em Doha, a fim de manifestar junto do vice-primeiro-ministro e ministro dos Negócios Estrangeiros do Qatar, sheik Mohammed bin Abdulrahman bin Jassim Al-Thani, o interesse de reforçar a cooperação nas áreas de petróleo e gás.

Pouco depois, os dois países produtores de petróleo assinaram um acordo no domínio dos transportes, que prevê o estabelecimento de ligações aéreas entre as capitais Luanda e Doha, na sequência da visita do ministro dos Transportes, Ricardo de Abreu, acompanhado de representantes da transportadora aérea TAAG e da Empresa Nacional de Navegação Aérea (ENANA).

Desde 2015, altura em que Angola e Qatar rubricaram o protocolo para a criação de conexões directas entre as duas capitais, para o fomento do intercâmbio comercial dos empresários de ambos os lados, que se aguarda pela sua efectivação.

Com base em dados disponíveis, o acordo visava concretizar os objectivos do Governo angolano, para potenciar o sector da aviação civil nacional e apoiar a TAAG na conquista de novos destinos.

Qatar e Angola têm uma economia dependente do petróleo. Os asiáticos são os líderes mundiais no rendimento per capita e possuem grandes depósitos de gás natural, compreendendo mais de cinco por cento do total das reservas do planeta Terra.

A economia do Qatar é extremamente dependente do petróleo explorado no país. O sector petrolífero compreende mais de 70 por cento do rendimento total do Governo, mais de 60 por cento do produto interno bruto e aproximadamente 85 por cento do saldo total de exportação.