Sábado, 28 de Novembro de 2020
    |  Fale connosco  |   Assinante    
 

João Lourenço chega a Kigali para cimeira quadripartida


20 Fevereiro de 2020 | 14h18 - Actualizado em 21 Fevereiro de 2020 | 11h17

Chegada do Presidente João Lourenço (esq) ao Rwanda Foto: Cortesia de Kindala Manuel/Edições Novembro

Kigali (Dos enviados especiais) - O Presidente angolano, João Lourenço, chegou ao princípio da tarde desta quinta-feira à cidade de Kigali, para uma missão de dois dias no âmbito dos esforços de paz entre os vizinhos Rwanda e Uganda.


João Lourenço vai participar, sexta-feira, numa Cimeira com os homólogos do Rwanda, Paul Kagame, Uganda, Yoweri Museveni, e da República Democrática do Congo (RDC), Felix Tshisekedi.

Um dos objectivos da reunião, a realizar-se na localidade de Gatuna/Katuna, junto à fronteira entre o Rwanda e Uganda, é debater  a reabertura da fronteira comum, encerrada desde Março de 2019, devido à acusações recíprocas de espionagem e intromissão política.

A cimeira de Gatuna/Katuna, que fica a 80 quilómetros da capital rwandesa, está também consagrada à análise de meios para desanuviar o clima de tensão existente entre o Rwanda e o Uganda.

Quarta-feira (19), as partes trocaram prisioneiros, sendo 13 rwandeses (incluindo três mulheres) e 17 ugandeses.

A pretexto de um incidente fronteiriço que resultou na morte de uma pessoa em cada lado, o Presidente Paul Kagame ordenou o encerramento da fronteira entre os dois países, bloqueando a via comercial imprescindível para a circulação de pessoas e bens.

Na altura, o Chefe de Estado do Rwanda acusou o homólogo do Uganda de colaborar com a oposição rwandesa e com forças hutus, para desestabilizar do seu país.

Por seu turno, Museveni acusou Kagame de assassinato de adversários políticos no território ugandês.

O Rwanda e o Uganda, dois países da África Oriental sem saída para o mar, fazem parte da Conferência Internacional para a Região dos Grandes Lagos (CIRGL), juntamente com Angola, República Democrática do Congo, Burundi, República do Congo, República Centro Africana, Tanzânia, Sudão, Quénia e Zâmbia.