Sexta, 04 de Dezembro de 2020
    |  Fale connosco  |   Assinante    
 

João Lourenço pede rigor na prevenção


24 Abril de 2020 | 15h42 - Actualizado em 24 Abril de 2020 | 15h41

Foto oficial do Presidente da República, João Lourenço Foto: Cedida pela fonte

Luanda - O Presidente da República, João Lourenço, declarou, nesta sexta-feira, que "o levantamento definitivo do Estado de Emergência e das restrições dependerá, sobretudo, da forma como forem cumpridas as medidas" impostas pelas autoridades.


Numa declaração ao País, a propósito da prorrogação do regime de excepção, por mais 15 dias (de 26 de Abril a 10 de Maio), João Lourenço sublinhou que essa decisão dependerá "do comportamento individual e colectivo" dos angolanos.

Conforme o Presidente, a prevenção continua a ser a melhor e a mais eficaz forma de luta contra o perigo mortal da covid-19, pandemia que já infectou 25 pessoas em Angola.

Apelou à manutenção das medidas básicas de prevenção recomendadas pelas autoridades sanitárias, sublinhando que os angolanos têm a exacta noção do quão difícil é observar o regime de confinamento forçado, pela ameaça do coronavírus.

Segundo João Lourenço, este é o melhor caminho a seguir, como contribuição de Angola na luta global contra a pandemia, porquanto permitiu controlar o risco de propagação da doença no país.

Apelou ao senso de responsabilidade dos angolanos, fazendo, cada um a sua parte, ficando em casa, a lavar as mãos com frequência, a manter a distância recomendada e ao uso da máscara em ambientes como no transporte público, nos mercados e outros.

O Chefe de Estado enalteceu também o empenho dos profissionais de saúde, médicos, enfermeiros, técnicos e especialistas, policiais, militares, empresários, líderes religiosos, jornalistas e figuras da sociedade civil, pela luta comum contra a covid-19.

O novo período do Estado de Emergência começa a 26 deste mês, domingo, e termina a 10 de Maio. Segundo João Lourenço, há algumas medidas de alívio em grande parte do país, abrindo-se a possibilidade da retomada paulatina da actividade económica.