Quarta, 02 de Dezembro de 2020
    |  Fale connosco  |   Assinante    
 

Governadora encoraja à contínua transformação socioeconómica


17 Setembro de 2020 | 16h18 - Actualizado em 17 Setembro de 2020 | 18h16

Luanda - A governadora da província de Luanda, Joana Lina, encorajou, nesta quinta-feira, a população a continuar a transformação socioeconómica do país, com vista a seguir o legado de António Agostinho Neto, primeiro Presidente do país e fundador da Nação.


A governadora Joana Lina fez esse pronunciamento quando discursava na cerimónia do acto central das comemorações do 17 de Setembro, Dia do Fundador da Nação e do Herói Nacional, instituído em homenagem a António Agostinho Neto, que a 11 de Novembro de 1975, proclamou a independência de Angola.

Disse que Agostinho Neto expressava os seus anseios de ver uma Angola cada vez melhor em seus poemas como “Havemos de Voltar” e em frases célebres como “o mais importante é resolver os problemas do povo”.

Para a governante, nesta fase de pandemia da Covid-19, cujo epicentro da doença é Luanda, a figura de Neto inspira a enfrentar estas dificuldades pois afirmava que “não há independência sem luta e não há luta sem sacrifício”.

Em declarações à Angop, no mesmo evento, o deputado da CASA-CE, Alexandre André referiu que Agostinho Neto deixou ensinamentos que se perpetuam até hoje, como o redobrar dos esforços para resolução das inquietações da população.

De acordo com o deputado, Agostinho Neto demonstra com este tipo de frase que a primeira prioridade de um governante deve ser a satisfação das necessidades básicas da população.

“Agostinho Neto sempre deixou patente que para a pátria é preciso haver sacrifício, com vista a elevar o país no contexto das nações”, frisou.

Já Nelito Ekuikui, deputado da Unita, considerou que António Agostinho Neto, em conjunto com Jonas Savimbi e Holden Roberto, teve um papel preponderante na luta pela libertação de Angola.

Por sua vez, o presidente do Conselho Nacional da Juventude (CNJ), Isaías Calunga, afirmou que os jovens angolanos têm procurado interpretar e aplicar o legado do fundador da nação, baseando-se na humildade e trabalho.

No entender do secretário-geral da União Nacional dos Artistas Plásticos (UNAP), António Tomás Ana “Etona”, Agostinho Neto é um dos expoentes máximos da cultura nacional.

Ressaltou que o processo para a independência do país não baseou-se apenas na luta armada, mas também no campo cultural, no qual Agostinho Neto foi um membro activo através da sua poesia.

A actividade decorreu no Memorial António Agostinho Neto e foi orientada pelo vice-presidente da República, Bornito de Sousa.