Quinta, 03 de Dezembro de 2020
    |  Fale connosco  |   Assinante    
 

População do Moxico-velho já tem documento de identificação pessoal


25 Setembro de 2020 | 11h03 - Actualizado em 25 Setembro de 2020 | 11h03

Gonçalves Muandumba entregando 1º Bilhete de Identidade no âmbito de massificação do registo civil Foto: kinda kyungu

Luena - Mil e 478 cidadãos da localidade do Moxico -Velho, que antes nunca tiveram documentos de identificação pessoal, receberam nesta quinta - feira, os seus bilhetes de identidades (BI), depois de realizar o respectivo registo de nascimento.


A entrega dos primeiros BI, cujo acto foi orientado pelo governador provincial, Gonçalves Muandumba, é o resultado do Programa de Massificação do Registo de Nascimento e atribuição do Bilhete de Identidade, em curso no país.

Na localidade que dista 17 quilómetros a sul da cidade do Luena, desde o início da actividade, em Novembro último, o processo abrangeu 2.351 crianças de ambos sexos, das três mil previstas.

Depois de receber o documento que lhe habilita como cidadão nacional, a pequena Anita Vasco de 11 anos de idade louvou a iniciativa do Ministério da Justiça e Direitos Humanos, por permitir as pessoas possuírem a sua identificação.

Satisfeita, Anita Vasco disse que a partir de hoje já pode viajar para outras localidades do país, sem o risco de ser impedida por falta de documento.

No mesmo dia, 24, Gonçalves Muandumba fez o lançamento dos serviços de identificação no município de Camanongue, 52 quilómetros a norte da cidade do Luena.

A administradora local, Irene Neusa Maquetcha,  disse que os serviços implementados vão minimizar o sofrimento da população que antes se deslocava aos municípios vizinhos do Léua e Dala (Lunda Sul) para poder adquirir a cédula pessoal e o BI.

O delegado provincial da Justiça e dos Direitos Humanos, Adalberto Cláudio Donge, ressaltou que a massificação do registo nesta província prioriza os cidadãos residentes nas áreas de difícil acesso.

No município do Moxico (sede) estão contempladas as comunas do Muangai, Lucusse, Cangumbe e a povoação do Moxico – Velho, indicou.

O responsável, apontou que nesta província, desde o inicio da actividade, em Novembro de 2019, até a data presente foram registados mais de 60 mil cidadãos.  

Fez saber que para êxito dos trabalhos foram criadas duas brigadas em cada município que serão reforçadas nos próximos tempos com a entrada em cena de 80 voluntários, entre fiéis da igreja Católica e efectivos das Forças Armadas Angolanas (FAA).

O Ministério da Justiça e dos Direitos Humanos prevê realizar 12 milhões de registos de nascimento até ao ano 2022, no quadro da campanha de registo e emissão do BI.