Terça, 01 de Dezembro de 2020
    |  Fale connosco  |   Assinante    
 

João Lourenço recebe mensagem de Ali Bongo sobre a CEEAC


19 Outubro de 2020 | 20h34 - Actualizado em 19 Outubro de 2020 | 20h33

Presidente da Republica, João Lourenço (dir), recebe mensagem de Ali Bongo, presidente em exercício da CEEAC Foto: Cortesia de Ndombele Bernardo/Edições Novembro

Luanda - O Chefe de Estado angolano, João Lourenço, recebeu esta segunda-feira uma mensagem do presidente em exercício da Comunidade Económica dos Estados da África Central (CEEAC), Ali Bongo, sobre as transformações políticas em curso nesta organização sub-regional.


O portador da missiva, o ministro gabonês dos Negócios Estrangeiros, Pacôme Boubeya, disse à imprensa que no quadro das reformas na CEEAC está também prevista a criação do Parlamento da organização, dos tribunais de Contas e de Justiça.

O emissário de Ali Bongo, também Presidente do Gabão, afirmou que durante o diálogo com o Chefe de Estado angolano foi igualmente abordada a situação financeira da organização e aspectos sobre a paz e segurança na região.

"Transmitimos ao Presidente João Lourenço o desejo do líder cessante da CEEAC, Ali Bongo, de realizar uma cimeira, em Novembro próximo, para a passagem de testemunho da liderança rotativa da organização à República do Congo", frisou o diplomata gabonês.

A audiência serviu igualmente para a apresentação formal ao Estadista angolano do embaixador Gilberto Veríssimo como presidente da Comissão da CEEAC.

O diplomata angolano Gilberto Veríssimo foi confirmado, em Julho último, presidente da Comissão da CEEAC, durante a 17ª Cimeira dos Chefes de Estado e de Governo dessa organização, realizada por videoconferência.

Angola e Gabão têm defendido, no quadro bilateral, a prevenção e resolução de conflitos por via pacífica, para assegurar a estabilidade regional.

Além de Angola e Gabão, integram a CEEAC o Burundi, os Camarões, a República Centro-Africana (RCA), a República do Congo, a República Democrática do Congo (RDC), a Guiné Equatorial, o Rwanda, São Tomé e Príncipe e Tchad.