Quarta, 20 de Janeiro de 2021
    |  Fale connosco  |   Assinante    
 

Governo assegura financiamento para conclusão do troço Cuima/Cussi


09 Abril de 2019 | 19h52 - Actualizado em 10 Abril de 2019 | 08h36

Huambo - O ministério da Construção e Obras Públicas promete assegurar, ainda este ano, o financiamento para concluir as obras no troço Cuima, na província do Huambo, e Cussi, na província da Huíla.


O facto foi assumido hoje, terça-feira, na cidade do Huambo, em declarações à imprensa, pelo ministro Manuel Tavares de Almeida, depois de ter visitado o troço, cujas obras, iniciadas em Outubro de 2017, deveriam terminar em Novembro de 2018.

Por indisponibilidade financeira, o prazo de conclusão do troço, cujos 65 quilómetros nunca tinham sido asfaltados, foi alargado para Novembro deste ano.

O ministro da Construção e obras Públicas disse que a execussão da camada de desgaste (colocação do betume asfaltico) constitui a componente mais cara  da obra, exigindo, por isso, que o ministério assegure os recursos financeiros para o efeito.

Entretanto, afirmou que a demora na conclusão dos trabalhos não tem a ver unicamente com a insuficiência de recursos financeiros, apontando, também, as dificuldades técnicas enfrentadas durante a construção das quatro pontes sobre os rios que estão ao longo do troço.

Manuel Tavares de Almeida mostrou-se satisfeito com a qualidade do trabalho já feito, referindo que a obra está a ser executada em conformidade com as orientações deixadas.

Disse que a  estrutura do pavimento está ser bem reforçada  com uma sub-base bem feita,  através da colocação de uma camada de tovonal sobre a qual foi colocada a brita com granometria extensa, posteriormente a camada de desgaste.

O ministério da Construção e das Obras  Públicas, segundo o seu responsavél, vai continuar a acompanhar os trabalhos, de modo a garantir a qualidade do troço, por considerar ser uma via bastante importante na ligação entre o centro ao sul do país.

Desde o arranque dos trabalhos, foram já asfaltados 13 quilómetros, terraplanados 28 quilómetros, e colocada sub-base em 23 quilómetros, enquanto 30 quilómetros foram limpos e desmatados e em outros 30 foram feitos trabalhos de acomodação de tráfego.