Sábado, 28 de Novembro de 2020
    |  Fale connosco  |   Assinante    
 

Governador pede celeridade na reabilitação do troço Cucumbi/Xassengue


20 Julho de 2020 | 13h35 - Actualizado em 20 Julho de 2020 | 15h14

REABILITAÇÃO DE ESTRADAS Foto: ANGOP

Cacolo - O governador da Lunda Sul, Daniel Neto, solicitou hoje, segunda-feira, à Brigada de Manutenção de Estradas, celeridade na execução das obras de reabilitação do troço que liga as comunas do Cucumbi e Xassengue, município de Cacolo.


O governante fez este apelo no final da visita de constatação efectuada naquela localidade, afirmando que urge a necessidade da conclusão das obras dentro dos prazos estabelecidos, tendo em conta que a mesma vai garantir a melhoria da qualidade de vida das populações, bem como permitir o escoamento de produtos do campo para a cidade.

Fez saber que o atraso na execução das obras está a criar constrangimentos não só para a população, mas também ao governo da província, daí que os técnicos da brigada são chamados a acelerarem com as obras ligadas à reabilitação de estradas, para se garantir a livre circulação de pessoas e bens.

Sublinhou que a obra deverá facilitar o fluxo comercial entre a sede de Cacolo e as comunas de Cucumbi e Xassengue, uma das zonas com maior produção agrícola do município.

Por sua vez, o responsável da Brigada de Manutenção de Estradas da Lunda Sul, Francisco Txiquendja, disse que será reforçada a contratação da mão-de-obra local, de modo a concluir a mesma nos prazos estabelecidos, com a reposição do perfil da estrada.

As obras de reabilitação do troço Cucumbi/Xassengue tiveram início em Maio do presente ano, período em que foram terraplanados 12 quilómetros, faltando 61 quilómetros para sua conclusão.

O referido troço, que liga as comunas de Cucumbi e Xassengue, município de Cacolo, encontra-se degradado há mais de 20 anos.

O município de Cacolo, que dista a 141 quilómetros da sede de Saurimo, possui uma extensão territorial de 15.402 quilómetros quadrados e conta com mais de 36 mil e 185 habitantes que se dedicam, essencialmente, à agricultura e ao comércio informal.