Quinta, 03 de Dezembro de 2020
    |  Fale connosco  |   Assinante    
 

Covid-19: Ministro quer "discurso alinhado" contra pandemia


11 Agosto de 2020 | 13h04 - Actualizado em 11 Agosto de 2020 | 14h16

Luanda - O ministro das Telecomunicações, Tecnologia de Informação e Comunicação Social, Manuel Homem, recomendou, nesta terça-feira, em Luanda, aos jornalistas e fazedores de opinião a sensibilizar a população com informações claras e credíveis no âmbito da luta contra a Covid-19, num "discurso alinhado" com o das autoridades sanitárias.


O ministro discursava na abertura da acção de formação de formadores “em comunicação comunitária sobre a Covid-19”, que decorre no Centro de Imprensa Aníbal de Melo (CIAM), dirigida aos jornalistas e fazedores de opinião.

O governante recordou que a Covid-19 é agora um tema do quotidiano e, como tal, vive-se um momento que deve ser comunicada com eficácia e eficiência, padronizando a comunicação comunitária e alinhando o discurso.

O governante lembrou que o controlo da pandemia é um problema de todos, em que cada um  deve contribuir, por via de várias ferramentas ao seu dispor, visto que todos são chamados para acções positivas em prol da luta contra a doença.

“Os líderes de opinião têm essa poder de influenciar, usando tudo que têm ao vosso alcance. Entendemos que são um braço indispensável na luta contra a pandemia”, sublinhou, reiterando que deve se informar de forma simples e fácil as comunidades.

Para simplificar a informação e educar melhor a população, numa estratégia de padronizar e alinhar o discurso, segundo o ministro, promoveu-se a acção em curso para que jornalistas, fazedores de opiniões e autoridades sanitárias possam trocar impressões.

“Sentimos que apesar da comunicação oficial que se faz, há um desconhecimento sobre a doença, sobretudo nas comunidades”, reconheceu, lamentando que todos os dias assiste-se a atropelos às normas de protecção contra a doença.

Extrapolação do número de casos de Covid-19 para Agosto e Setembro, medidas sanitárias preventivas, visão epidemiológica, plano de contingência contra a doença são, entre outros temas, abordados na acção de formação que durou um dia.

Angola tem um total de 1.679 casos, dos quais 78 óbitos, 569 são recuperados e 1.032 estão activos, com quatro em estado crítico e 21 em estado grave.