Quinta, 03 de Dezembro de 2020
    |  Fale connosco  |   Assinante    
 

Mais de 300 mil pessoas vivem com HIV


30 Setembro de 2020 | 17h01 - Actualizado em 30 Setembro de 2020 | 19h04

Mesa de presidium durante lançamento das jornadas do Dia Mundial da Sida Foto: Clemente dos Santos

Luanda - Angola conta com 340 mil pessoas portadoras do HIV, das quais apenas 93 mil recebem tratamento com antirretrovirais.


A informação foi avançada esta quarta-feira pelo presidente da Rede Angolana de Organizações de Serviços de SIDA (ANASO), António Coelho, no acto de lançamento das Jornadas alusivas ao Dia Mundial de Luta contra a SIDA, que se assinala a 1 de Dezembro..

O responsável indicou que, apesar dos esforços do Governo e da força da sociedade civil, o número de infecções por VIH e de mortes relacionadas com a SIDA está a aumentar.

Segundo dados do Programa Conjunto das Nações Unidas sobre a SIDA (ONUSIDA), até Abril de 2020 foram registadas 26 mil novas infecções e 13 mil mortes relacionadas com a SIDA, entre as quais três mil 800 crianças e nove mil adultos.

Um total de 31 mil crianças (0-14) vivem com VIH, das quais 5.113 recebem tratamento. A cobertura de tratamento para crianças que precisam de antirretrovirais é de 16 por cento. O número de órfãos de SIDA é de 176 mil e 901.

A cobertura total de tratamento na população em geral é de 27 por cento e a prevalência de VIH (15-49) de 2 por cento. Há, no país, 210 mulheres vivendo com HIV e 90 mil homens vivendo com o mesmo vírus.

Para o presidente da ANASO, o surgimento da pandemia da Covid-19, que rapidamente se disseminou por todo mundo, reclamou a atenção imediata das autoridades de saúde, provocando uma certa "desatenção" em relação à luta contra o VIH e SIDA.

Falta de medicamentos

O país regista, desde Março deste ano, uma rotura no "stock" de antirretrovirais de primeira e segunda linha. A situação, segundo a ANASO, deixa vulneráveis cerca de 25 mil pessoas sem medicação. Para além da escassez de medicamentos, a Covid-19 aumentou ainda as dificuldades sociais dos doentes.

A propósito, o secretário de Estado da Saúde, Franco Mufinda, fez saber que a rotura do "stock" está a ser resolvida.

Disse ser com medicamentos do género que alguns países do mundo estão a fazer o seguimento da Covid-19, o que criou alguma rotura.

No caso de Angola, disse que a situação está a ser ultrapassada. "Todavia, pode haver alguma insuficiência sobretudo em medicamentos para seguimento pediátrico".

Informou que, apesar da Covid-19 estar a dominar a agenda política do mundo, os serviços essenciais de saúde no país não deixaram de funcionar.

Fez saber que o Governo continua preocupado com a construção de instituições sanitárias, para a expansão do Programa de VIH e SIDA.

Entretanto, o director da ONUSIDA em Angola, Michel Kouakou, ressaltou que a solidariedade global e a responsabilidade compartilhada exigem que se vejam as respostas globais de saúde, incluindo a resposta à SIDA, de uma nova maneira.

Marcha virtual de solidariedade contra SIDA

Em saudação ao Dia Mundial de Luta contra a SIDA 2020, a ANASO e os seus parceiros promovem uma Marcha Virtual Internacional de Solidariedade contra a SIDA, envolvendo pessoas em todo país e de outras partes do mundo.

Está, igualmente, programado um concurso denominado Canta Sida e um Natal solidário com crianças vivendo com VIH e órfãos da doença.

O concurso Canta SIDA, que vai na sua segunda edição, é um projecto de educação e sensibilização para a redução do estigma e discriminação, tendo no artista a sua principal figura para disseminação da informação.

Este ano, o Canta SIDA conta com a cantora Yola Semedo que, na qualidade de embaixadora da Boa Vontade da ONUSIDA em Angola, se junta a causa e vai realizar uma live solidária que vai marcar o fim do concurso.

A ANASO e os seus parceiros vão, igualmente, desenvolver uma campanha de mobilização de recursos que serão transformados em bens, como cestas básicas e brinquedos a favor de um universo de cerca de 28 mil crianças vivendo com HIV e órfãos de SIDA.