Quarta, 25 de Novembro de 2020
    |  Fale connosco  |   Assinante    
 

Huíla: Maternidade diagnostica cinco casos de cancro da mama/mês


29 Outubro de 2020 | 14h10 - Actualizado em 29 Outubro de 2020 | 14h10

Huíla: Irina Jacinto - directora-geral da maternidade "Irene Neto" Foto: José Filipe

Lubango - Pelo menos cinco casos de cancro da mama são confirmados mensalmente na Maternidade do Lubango "Irene Neto", doença já considerada um problema de saúde pública pela sua prevalência e alta mortalidade.


A informação foi avançada nesta quarta-feira pela directora-geral da unidade, Irina Jacinto, no quadro do “Outubro Rosa”, mês de consciencialização do cancro da mama.

A responsável hospitalar declarou ser um número preocupante, principalmente por as pacientes acorrerem ao hospital com estágio avançado da doença.

Adiantou que de Fevereiro até à presente data 20 pessoas foram operadas com sucesso, pacientes que devem ser acompanhados por cinco anos, após a cirurgia.

A médica cirurgiã disse que a unidade está a formar profissionais em ginecologia obstetrícia, durante as consultas, para aumentar a sua capacidade de avaliação, quer sejam médicos ou enfermeiros, pois o país tem poucos especialistas em oncologia.

O cancro da mama actua principalmente em mulheres. A prevenção passa pelo rastreio, através do auto-exame da mama.

A maternidade, alojada numa estrutura emprestada pelo Hospital Agostinho Neto, em função das obras no seu edifício, tem uma capacidade de 210 camas. Conta com 37 médicos.