Quinta, 21 de Janeiro de 2021
    |  Fale connosco  |   Assinante    
 

Restos mortais do Juiz Jubilado do Bié foram a enterrar no Cuito


13 Janeiro de 2020 | 16h39 - Actualizado em 13 Janeiro de 2020 | 16h39

Governador do Bié, Pereira Alfredo, rende homenagem ao juiz jubilado Francisco de Almeida e Silva

Foto: Leonaldo Castro



Cuito - Os restos mortais do juiz presidente jubilado do Tribunal Provincial do Bié, Francisco da Franca e Almeida, de 80 anos de idade, foram a enterrar na manhã de hoje (segunda-feira) no cemitério municipal do Cuito.


Francisco da Franca e Almeida foi vítima de paragem cardíaca na última sexta-feira (10), tendo o óbito sido declarado no Hospital Provincial do Bié, para onde fora levado para receber assistência médica.

Numa nota de condolências do Conselho Superior da Magistratura Judicial, lida pelo juiz desembargador Artur Ngunza destaca-se o trabalho desempenhado por si de 1979 a 2010, data da sua jubilação, declarada a 23 de Junho daquele ano.

O acto (declaração de jubilação) reforçou o carinho, respeito e admiração de todos face à entrega total do malogrado na classe de magistrados no país.

O governador do Bié, Pereira Alfredo, refere que Francisco da Franca e Almeida serviu de corpo e alma a justiça da população desta província por cerca de 40 anos.

No local, foram lidas também mensagens do colectivo de trabalhadores do Tribunal Provincial do Bié, Procuradoria Geral da República (PGR), Comissão Nacional Eleitoral (CNE) e Associação dos Naturais e Amigos do Bié (ANA/Bié).

Francisco da Franca e Almeida nasceu aos 27 de Fevereiro de 1939 na província do Uige.

De 1962 a 1965 trabalhou como tesoureiro no sector das Finanças de Malange. Em 1966 ingressou na polícia judiciária, até 1969. Em 1970 foi nomeado escrivão de Direito do Tribunal de pequenos delitos, que funcionava junto da polícia judiciária, em Luanda

Em 1979 transferido para o Tribunal da Comarca do Bié, onde exerceu as funções de juiz presidente do Tribunal Provincial e Delegado da Justiça, onde viveu até o seu falecimento. 

Em 2013, por deliberação do Conselho Superior da Magistratura Judicial, foi jubilado, aos 70 anos de idade.

Ainda em 1991 foi eleito Presidente do Conselho Provincial Eleitoral.