Quinta, 03 de Dezembro de 2020
    |  Fale connosco  |   Assinante    
 

Efectivos da Polícia na Huíla em formação sobre investigação criminal


27 Julho de 2020 | 15h56 - Actualizado em 28 Julho de 2020 | 12h29

Delegado provincial do Interior na Huíla, Divaldo Martins Foto: Morais Silva

Lubango - Quarenta e cinco efectivos da Polícia Nacional participam de 27 de Julho a 10 de Agosto deste ano no Lubango, província da Huíla, da primeira fase de um curso de investigação criminal.


A acção formativa é uma iniciativa do Ministério do Interior e tem como objectivo munir os participantes de ferramentas que lhes ajudem no trabalho de investigação criminal, ordem pública e contra a propriedade.

Falando no acto de abertura da respectiva acção de formação, o delegado provincial do Minint na Huíla, comissário Divaldo Martins, destacou a importância do certame, pois vai permitir um serviço de investigação com melhor qualidade, em matéria de crimes.

O oficial disse que não é possível falar de formação de qualidade, sem potenciar conhecimento ou ferramentas indispensáveis para que os especialistas possam desenvolver os seus trabalhos com eficiência e sem sobressaltos, através dos meios tecnológicos à sua disposição.

"Desde 2014, a Polícia Nacional viu-se cortada de uma das suas principais actividades relacionadas com competências de investigar os crimes, foi operada uma mudança e a então direcção de investigação criminal, actual SIC, deixou de ser um órgão da Policia Nacional e passou a ser um órgão do Ministério do Interior", disse.

Acrescentou que a PN viu-se impedida formalmente de investigar os crimes, no sentido de descobrir os seus autores e encaminhá-los para os órgãos de justiça.

Informou que com o decreto 152 de 19 de Maio, que aprova o novo estatuto orgânico da PN, essa competência foi devolvida à PN, com a criação da direcção dos registos criminais e do departamento de ilícitos penais nos comandos municipais e os núcleos de investigação de registos penais nas esquadras.

Considerou, no entanto, que a fisiologia da corporação passa por efectuar uma formação de qualidade na perspectiva de que as esquadras tenham capacidades e competências de investigar crimes de natureza diversa na província.

Ainda hoje arrancou uma outra formação de efectivos sobre o Sistema de Informação Geográfica (SIG), onde participam 35 efectivos da Polícia Nacional, que visa contribuir para a aquisição de qualificações profissionais em recolha, tratamento e análise de dados geográficos.