Sexta, 04 de Dezembro de 2020
    |  Fale connosco  |   Assinante    
 

Autoridades trabalham para impedir derrube de embondeiros


30 Setembro de 2020 | 18h51 - Actualizado em 30 Setembro de 2020 | 21h39

Luanda - O Ministério da Cultura, Turismo e Ambiente está a trabalhar para impedir o abate indiscriminado de embondeiros na zona do Sequele, município de Cacuaco, província de Luanda, onde existe o registo do derrube indiscriminado de mil 800 árvores desta espécie.


Segundo a directora do Instituto da Biodiversidade e Conservação Ambiental (INBAC), Albertina Nzunzi, as autoridades tomaram conhecimento deste facto através de uma denúncia nas redes sociais, tendo deslocado uma equipa ao terreno para apurar a sua veracidade.

Em conferência de imprensa, Albertina Nzunzi afirmou que os resultados do trabalho revelaram que a área afectada é extensa e que os embondeiros estão a ser derrubados para ocupação ilegal de terrenos e construção de moradias naquela área.

De acordo com a responsável, as pessoas estão conscientes do crime ambiental que estão a cometer, mas afirmaram que é mais importante ter moradias do que ter um embondeiro de pé.

"Estamos perante um crime ambiental muito grave e que requer a intervenção dos órgãos de defesa e segurança do Estado", disse, frisando que devem ser tomadas medidas urgentes para garantir a salvaguarda das árvores que ainda existem.

Na mesma conferência de imprensa, Albertina Nzunzi abordou, igualmente, as queimadas e a captura de tubarões azuis na costa marítima do país, que caso não se tomem medidas para travar essas práticas, poderão resultar em sanções internacionais para o país.

"Angola poderá ser sancionada por via das convenções internacionais para protecção da biodiversidade, das quais é parte", alertou, sublinhando, por outro lado, que o país também arrisca-se a receber uma advertência no sentido de melhorar a segurança das espécies.

Quanto ao contrabando de barbatanas de tubarões azuis, ilegalmente pescados na costa angolana, a directora Albertina Nzunzi disse que existe uma fiscalização das autoridades, que já permitiu, de 2016 até ao momento, a apreensão de 400 quilos de barbatanas secas de tubarão no Aeroporto Internacional 4 de Fevereiro, em Luanda.

A bióloga acrescentou que o índice de contrabando de barbatanas secas de tubarões reduziu consideravelmente nos últimos meses, em consequência da pandemia da Covid-19, que limitou as viagens.

Para desincentivar estas práticas, a directora do Instituto da Biodiversidade e Conservação Ambiental defende o endurecimento das penas neste segmento.