Sexta, 04 de Dezembro de 2020
    |  Fale connosco  |   Assinante    
 

Inaugurado memorial para vítimas do Munhino


30 Setembro de 2020 | 17h26 - Actualizado em 30 Setembro de 2020 | 21h47

Lubango - O memorial em homenagem às vítimas do acidente ferroviário ocorrido há dois anos na zona do Munhino, província do Namibe, foi inaugurado esta quarta-feira, pelo presidente do Conselho de Administração do Caminho-de-Ferro de Moçâmedes, Daniel Quipaxe.


Ocorrido a 4 de Setembro de 2018, o acidente resultou na morte de 18 pessoas, em consequência da colisão entre uma composição de carga do Caminho de Ferro de Moçâmedes (CFM) e outra de serviço de manutenção sob responsabilidade de uma empresa chinesa. Foram apontadas como causas falhas nas comunicações.

Na lápide estão gravados os nomes das vítimas, em reconhecimento a data, procurando-se, com o monumento, eternizar a memória dos seus ente-queridos.  

Na ocasião, Daniel Quipaxe fez saber que o CFM está engajado na melhoria do sistema de comunicação, anunciando para breve a chegada, proveniente da África do Sul, de um sistema de comunicações.

Referiu estarem em curso negociações com uma empresa de telecomunicações para obter um sistema de comunicações por fibra óptica, para melhorar a actuação ao longo da via.

Em nome dos maquinistas, Zeferino Kalenga solicitou as empresas ferroviárias no sentido de melhorarem, com urgência, as comunicações, para a segurança dos comboios e das pessoas.

A data (4 de Setembro) servirá de reflexão e advertência para os funcionários, assim como as gerações vindouras, podendo o local ser visitado por trabalhadores da instituição, familiares das vítimas e outros interessados em saber mais sobre a história do CFM.

Com 115 anos de existência, o CFM tem a sua sede na cidade do Lubango, província da Huíla e o troço Lubango/Moçâmedes é de 260 quilómetros.