Quinta, 03 de Dezembro de 2020
    |  Fale connosco  |   Assinante    
 

Covid-19: Membros da sociedade civil capacitados


21 Outubro de 2020 | 16h40 - Actualizado em 21 Outubro de 2020 | 16h41

Huíla: Simeone Justino - director da ADRA - Antena Huíla e Cunene (Arquivo) Foto: Morais Silva

Lubango - Trinta e cinco membros das organizações da sociedade civil dos municípios dos Gambos, Humpata, Cacula e Caluquembe participam, de hoje a quinta-feira, no Lubango, de uma formação sobre saúde e direitos das mulheres face à Covid-19, numa iniciativa da Acção de Desenvolvimento Rural e Ambiente (ADRA).


A acção formativa, que se enquadra no Plano Estratégico da ADRA 2018-2022, junta, entre outros, juristas, engenheiros, agrónomos, médicos veterinários e jornalistas.

A feminização, a infecção pelo VIH/Sida, direitos sexuais e reprodutivos das mulheres e meninas no contexto da Covid-19 são alguns dos temas em debate, no intuito de reforçar a capacidade institucional e os processos de desenvolvimento sustentável, com base nos direitos das mulheres, saúde sexual e reprodutiva.

Ao falar à ANGOP, à margem da actividade, o director da ADRA - Antena Huíla e Cunene, Simeone Justino, destacou a importância da acção formativa, pois tem-se como preocupação “desencadear processos equitativos que contribuam para o desenvolvimento na relação de papéis entre homens e mulheres, tendo sempre em vista o desenvolvimento das comunidades rurais e urbanas”.

Referiu que a ADRA já trabalha nas questões voltadas aos direitos humanos e justiça social desde 2012, pelo que está a olhar mais para a  mulher, para uma maior participação dela na comunidade em que está inserida.

Criada em 1990, a ADRA é uma organização não-governamental vocacionada na promoção da construção de um desenvolvimento democrático e sustentável, social, económico e ambiental do país, bem como a reconciliação nacional.

Ela actua nas províncias da Huíla, Huambo, Malanje, Cunene, Namibe e Luanda.