Quarta, 02 de Dezembro de 2020
    |  Fale connosco  |   Assinante    
 

Jornalistas detidos estão em liberdade


26 Outubro de 2020 | 21h01 - Actualizado em 26 Outubro de 2020 | 21h01

Luanda - Os quatro jornalistas angolanos detidos pela Polícia Nacional, no último sábado, em Luanda, foram postos em liberdade na tarde desta segunda-feira (26).


Trata-se de Suely de Melo, Carlos Tomé, Santos Samuesseca e Leonardo Faustino, da Rádio Essencial e do Jornal Valor Económico, soltos após 60 horas.

Os profissionais foram detidos em pleno exercício das suas funções, quando reportavam uma manifestação da sociedade civil, frustrada pelas forças policiais.

Entretanto, no último sábado, 103 cidadãos foram detidos na sequência desta manifestação contra as políticas do Governo, não autorizada pelas autoridades de Luanda.

Trata-se de um grupo composto por 90 homens  e 13 mulheres, acusados de "arruaça e desobediência" às autoridades angolanas, que haviam inviabilizado o protesto, como forma de evitar contaminações em massa de Covid-19.

Os mesmos foram presentes a julgamento sumário nesta segunda-feira (26).

A manifestação decorreu em claro atropelo ao novo Decreto Presidencial sobre a Situação de Calamidade Pública, que restringe os ajuntamentos na via pública a cinco pessoas.

A manifestação, frustrada pela Polícia Nacional, contou com centenas de participantes,  incentivados por activistas da sociedade civil e por membros da direcção da UNITA.

Os mesmos tentaram protestar contra a não indicação de uma data para as eleições autárquicas e a falta de emprego, assim como exigirem melhores condições sociais.

A tentativa de manifestação ficou marcada por actos de enfrentamento às forças policiais, incluindo o arremesso de pedras e outros objectos, vandalização de bens públicos, barreiras nas estradas e queima de pneus, resultando ainda em seis feridos, agentes da Polícia Nacional, a destruição de meios da corporação e de transeuntes.