Terça, 24 de Novembro de 2020
    |  Fale connosco  |   Assinante    
 

Ministro reitera apoio ao desenvolvimento da ANGOP


30 Outubro de 2020 | 10h20 - Actualizado em 30 Outubro de 2020 | 10h19

Luanda - O ministro das Telecomunicações, Tecnologias de Informação e Comunicação Social, Manuel Homem, reiterou, nesta sexta-feira, o apoio do Executivo no processo de modernização integral da agência angolana de notícias (Angop-E.P).


Em mensagem alusiva aos 45 anos de existência da única agência de notícias do país, Manuel Homem realça que se pretende, para o efeito, garantir uma informação plural, independente, rigoroso, isenta e responsável.

O governante ressalta que este apoio visa o desenvolvimento nos capítulos humano, editorial e tecnológico.

Manuel Homem aproveitou a ocasião para encorajar os profissionais e responsáveis da agência de notícias de Angola a prosseguirem a sua acção de recolha, tratamento e distribuição de material noticioso no país e no exterior, com base numa informação objectiva e credível sobre a actualidade nacional e internacional.

A empresa foi criada em Julho de 1975 sob a designação de Agência Nacional Angola Press (ANAP). Nessa altura, os seus trabalhos eram distribuídos sob a forma de boletim. Em Outubro do mesmo ano, a ANGOP adopta a sua actual e definitiva denominação, Agência Angola Press, sob proposta do então Presidente da República, António Agostinho Neto, e lança, no dia 30 daquele mês, o primeiro despacho com a nova sigla.

Três anos depois, a 2 de Fevereiro de 1978, a agência foi transformada em órgão estatal de comunicação social, com a publicação do decreto presidencial 11/78, de 2 de Fevereiro, no Diário da República. A partir daí, estavam lançadas as bases para o seu crescimento e desenvolvimento, que viria a conhecer momentos áureos na década de 80. Nessa época, a ANGOP já contava com cerca de 300 trabalhadores, a maioria jornalista, com um labor ininterrupto, 24 horas ao dia, em todo o país (18 províncias) e no estrangeiro com cinco delegações (Portugal, Brasil, Reino Unido, Zimbabwe e Congo).

Em 2013 entrou com um quadro tecnológico e humano em constante transformação e actualização, em consonância com a modernidade dos meios de telecomunicações e de comunicação social, factores que concorrem para a concretização do seu grande desafio e sonho, o de se transformar numa grande empresa multimédia.