Quarta, 25 de Novembro de 2020
    |  Fale connosco  |   Assinante    
 

Covid-19: CFB cumpre lotação exigida


13 Julho de 2020 | 18h29 - Actualizado em 13 Julho de 2020 | 18h29

Comboio do CFB retoma operações depois de quase cinco meses de paralisação face ao novo coronavírus (covid-19) Foto: kinda kyungu

Lobito - Os comboios de passageiros do Caminho-de-Ferro de Benguela (CFB) estão a cumprir com a redução imposta para a lotação a "50 porcento" da sua capacidade, com a reactivação, nesta segunda-feira, das viagens interprovinciais entre o Huambo e o Luena (Moxico), de forma a evitar a propagação da covid-19, que afecta o país.


Falando à imprensa sobre o retorno dos comboios interprovinciais, o director comercial do CFB, Artur da Silva, informou que a viagem de volta do Luena, na província do Moxico, com destino ao Huambo, será realizada na quarta-feira desta semana.

Antes, (na terça-feira), avançou o interlocutor, um outro comboio partirá, no sentido descendente, da cidade do Cuito, na província do Bié, para o Luena, e quinta-feira, no ascendente, depois de quase cinco meses de paralisação.

"Dos três mil e 300 lugares garantidos, o CFB transportará apenas metade, para cumprir com as medidas de prevenção contra a pandemia", asseverou o responsável.

Segundo o director comercial, a lotação foi reduzida pela metade para permitir que dentro do comboio os passageiros observem de forma rigorosa o distanciamento social recomendado pelas autoridades sanitárias.

Outras medidas a serem observadas nas viagens de comboios de passageiros do Huambo a Luena e entre o Cuito (Bié) e o Luena (Moxico), e vice-versa, são o uso das máscaras faciais, a lavagem das mãos com sabão e a sua desinfecção com álcool em gel.

Quanto aos preços dos bilhetes, os mais caros são os do percurso Huambo/Luena, cujos valores rondam os oito mil 850 Kwanzas - na primeira classe, cinco mil e 900 Akz (para a segunda) e dois mil 950 Akz (para a terceira).

No troço Cuito/Luena, o valor mais alto está afixado em sete mil e 350 kwanzas, o intermédio quatro mil e 900 e o mais baixo dois mil 450.

A circulação dos comboios de passageiros do CFB estava interditada desde 27 de Março deste ano, na sequência do Decreto Presidencial sobre o estado de emergência, que vigorou até 25 de Maio, devido à covid-19, que em Angola já infectou 506 pessoas.

Entre os casos positivos registados no país, 118 recuperaram e 362 mantêm-se activos. Neste momento, contabilizam-se 26 óbitos.

A Angop apurou que as viagens interprovinciais no percurso Lobito/Huambo e vice-versa se encontram, por enquanto, condicionadas aos trabalhos de reparação no troço ferroviário do município do Longonjo, na província do Huambo.