Domingo, 29 de Novembro de 2020
    |  Fale connosco  |   Assinante    
 

Chuvas arrasam aldeamento turístico da Jamba


30 Outubro de 2020 | 11h39 - Actualizado em 30 Outubro de 2020 | 11h39

Jamba - As chuvas torrenciais que ocorreram de quarta a quinta-feira, no município da Jamba, na Huíla, deixaram um rastp de destruição, com realce para a destruição parcial aldeamento turístico da região, localizado nas margens do rio Colui.


O aldeamento denominado “Jukanda”, implantado numa área de 120 mil metros quadrados (12 hectares), iniciou com os de restauração em 2004. Tem dez quartos para alojamento e presta, igualmente, serviços de restauração e passeios de barquinhos no lago adjacente ao complexo turístico.

A sua destruição causou, até ao momento, danos avaliados em três milhões de Kwanzas.

Em declarações à ANGOP,  o proprietário do empreendimento, Miguel Cahanga, afirmou terem estragos na cobertura, na estrutura metálica que suportava as chapas dos alojamentos, adanificação de paredes e na louça sanitária.

O empresário declarou que ter investido, até ao momento, mais de 600 mil dólares no empreendimento, parte deles com financiamento de um banco comercial.

As chuvas, que começaram a cair por volta das 16 horas e 50 minutos, acompanhada de fortes ventos, fizeram, igualmente, estragos em 20 residências e três igrejas.

O município da Jamba dista a 315 quilómetros a leste do Lubango e tem uma população estimada em 169 mil habitantes repartidas em três comunas, nomeadamente a sede, Cassinga e o Dongo.

A rede turística na província da Huíla é composta por mil e 74 unidades hoteleiras e similares, entre as quais 13 hotéis, 17 pensões, 14 complexos turísticos, um conjunto turístico, 86 hospedarias, 920 restaurantes e semelhantes e 23 agências de viagem e turismo. Tem igualmente 11 monumentos e sítios classificados.