Abdul Dbeibah eleito PM do Governo de transição da Líbia

Genebra - Abdul Hamid Mohamed Dbeibah foi hoje eleito primeiro-ministro do Governo de transição na Líbia pelos participantes no diálogo político inter-líbio que decorre na Suíça sob os auspícios da ONU, devendo assegurar o executivo até às eleições de Dezembro.

Segundo a emissária interina das Nações Unidas para a Líbia, Stephanie Williams, que falava após a contagem dos votos transmitida em directo pela ONU, a lista vencedora obteve 39 dos 73 votos em disputa.

Mohammad Younes Menfi, integrado na lista do novo primeiro-ministro e um diplomata que conta com a sua base de apoio no leste da Líbia, foi eleito presidente do Conselho Presidencial.

"Tive e tenho o prazer de testemunhar este momento histórico", disse Williams, dirigindo-se aos delegados após o anúncio dos resultados.

"A decisão que hoje se tomou vai crescer com o passar do tempo na memória colectiva do povo líbio", acrescentou.

Williams enfatizou que o Governo interino deve agora apoiar totalmente o cessar-fogo e manter a data das eleições nacionais, 24 de Dezembro, lançando, paralelamente, "um processo abrangente de reconciliação nacional".

O processo eleitoral começou na terça-feira, um dia depois do início das conversações, com a apresentação de quatro listas, nenhuma das quais obteve o mínimo exigido de 60%, obrigando à disputa de uma segunda votação entre as duas mais votadas.

A eleição, que decorreu nos arredores de Genebra, na Suíça, constitui a última fase do processo para a selecção do primeiro-ministro e do Conselho Presidencial Transitório.

Este órgão será composto por três membros (um Presidente e dois vice-presidentes) representando a Tripolitânia (oeste), Cirenaica e o Fezzan (sul), as três regiões líbias.

Os 75 participantes no diálogo inter-líbio estão reunidos desde segunda-feira nos arredores de Genebra, num local mantido secreto pela ONU.

Num comunicado, a Missão da ONU na Líbia (Unsmil) especificou que as listas mais votadas eram compostas pelo presidente do parlamento em Tobruk, Aquilah Saleh, o líder militar do oeste, Osama Abdul Salam Juwaili, e o representante do sul Abdul Majeed Ghaith Seif Al-Nasar, com o ministro do Interior do Governo de Acordo Nacional (GNA) apoiado pela ONU, Fathi Bashagha, como primeiro-ministro.

A segunda lista inclui Mohammad Younes Menfi como Presidente do Conselho presidencial, Mossa Al-Koni e Abdullah Hussein Al-Lafi como vice-presidentes, e Abdul Hamid Mohammed Dbeibah como chefe do Governo.

A votação decorreu no âmbito do Fórum de Diálogo Político Líbio (FDPL), um organismo 'ad hoc' criado em Outubro pela Unsmil para impulsionar o processo de paz e terminar com a divisão, o caos generalizado e a guerra civil que assolam o país desde a queda do Governo de Muammar Kadhafi em 2011.

Segundo a emissária interina das Nações Unidas para a Líbia, Stephanie Williams, que falava após a contagem dos votos transmitida em directo pela ONU, a lista vencedora obteve 39 dos 73 votos em disputa.

Mohammad Younes Menfi, integrado na lista do novo primeiro-ministro e um diplomata que conta com a sua base de apoio no leste da Líbia, foi eleito presidente do Conselho Presidencial.

"Tive e tenho o prazer de testemunhar este momento histórico", disse Williams, dirigindo-se aos delegados após o anúncio dos resultados.

"A decisão que hoje se tomou vai crescer com o passar do tempo na memória colectiva do povo líbio", acrescentou.

Williams enfatizou que o Governo interino deve agora apoiar totalmente o cessar-fogo e manter a data das eleições nacionais, 24 de Dezembro, lançando, paralelamente, "um processo abrangente de reconciliação nacional".

O processo eleitoral começou na terça-feira, um dia depois do início das conversações, com a apresentação de quatro listas, nenhuma das quais obteve o mínimo exigido de 60%, obrigando à disputa de uma segunda votação entre as duas mais votadas.

A eleição, que decorreu nos arredores de Genebra, na Suíça, constitui a última fase do processo para a selecção do primeiro-ministro e do Conselho Presidencial Transitório.

Este órgão será composto por três membros (um Presidente e dois vice-presidentes) representando a Tripolitânia (oeste), Cirenaica e o Fezzan (sul), as três regiões líbias.

Os 75 participantes no diálogo inter-líbio estão reunidos desde segunda-feira nos arredores de Genebra, num local mantido secreto pela ONU.

Num comunicado, a Missão da ONU na Líbia (Unsmil) especificou que as listas mais votadas eram compostas pelo presidente do parlamento em Tobruk, Aquilah Saleh, o líder militar do oeste, Osama Abdul Salam Juwaili, e o representante do sul Abdul Majeed Ghaith Seif Al-Nasar, com o ministro do Interior do Governo de Acordo Nacional (GNA) apoiado pela ONU, Fathi Bashagha, como primeiro-ministro.

A segunda lista inclui Mohammad Younes Menfi como Presidente do Conselho presidencial, Mossa Al-Koni e Abdullah Hussein Al-Lafi como vice-presidentes, e Abdul Hamid Mohammed Dbeibah como chefe do Governo.

A votação decorreu no âmbito do Fórum de Diálogo Político Líbio (FDPL), um organismo 'ad hoc' criado em Outubro pela Unsmil para impulsionar o processo de paz e terminar com a divisão, o caos generalizado e a guerra civil que assolam o país desde a queda do Governo de Muammar Kadhafi em 2011.