África com mais 301 mortes e um total de 1.827.034 infectados

  • Dístico do Covid-19 Novo Coronavírus
Addis Abeba - O continente africano registou nas últimas 24 horas mais 301 mortes devido à covid-19, aumentando para 43.913 o total de vítimas mortais pelo novo coronavírus, que já infectou 1.827.034 pessoas na região, segundo dados oficiais.

De acordo com o Centro de Controlo e Prevenção de Doenças da União Africana (África CDC), nos 55 Estados-membros da organização registaram-se nas últimas 24 horas mais 13.969 casos de covid-19.

O número de recuperados é agora de 1.492.904, mais 8.862 do que na véspera.

O maior número de casos de infecção e de mortes regista-se na África Austral, com 814.309 infecções e 21.075 mortes por covid-19. Nesta região, a África do Sul, o país mais afetado do continente, contabiliza um total de 730.548 casos de infeção e 19.585 mortes.

O norte de África, a segunda zona mais afetada pela pandemia, regista um total de 538.651 pessoas infectadas e 14.848 mortos e na África Oriental há 220.948 infectados e 4.052 vítimas mortais.

Na região da África Ocidental, o número de infecções é de 192.144, com 2.783 vítimas mortais, e a África Central regista 60.983 casos e 1.155 óbitos.

O Egipto, que é o segundo país africano com mais vítimas mortais, a seguir à África do Sul, regista 6.318 mortos e 108.329 infectados, seguindo-se Marrocos, que contabiliza 3.982 vítimas mortais e 235.310 casos de infecção.

A Argélia surge logo a seguir, com 59.527 infecções e 1.999 mortos.

Entre os seis países mais afectados estão também a Etiópia, que regista 97.881 casos de infecção e 1.503 vítimas mortais, e a Nigéria, com 63.328 infectados e 1.155 mortos.

Entre os países africanos que têm o português como língua oficial, Angola lidera em número de mortos e Moçambique tem o maior número de casos.

Angola regista 296 óbitos e 11.813 casos, seguindo-se Cabo Verde (95 mortos e 9.053 casos), Moçambique (95 mortos e 13.283 casos), Guiné Equatorial (83 mortos e 5.089 casos), Guiné-Bissau (42 mortos e 2.414 casos) e São Tomé e Príncipe (16 mortos e 958 casos).

O primeiro caso de covid-19 em África surgiu no Egipto, a 14 de Fevereiro, e a Nigéria foi o primeiro país da África subsaariana a registar casos de infecção, a 28 de Fevereiro.

De acordo com o Centro de Controlo e Prevenção de Doenças da União Africana (África CDC), nos 55 Estados-membros da organização registaram-se nas últimas 24 horas mais 13.969 casos de covid-19.

O número de recuperados é agora de 1.492.904, mais 8.862 do que na véspera.

O maior número de casos de infecção e de mortes regista-se na África Austral, com 814.309 infecções e 21.075 mortes por covid-19. Nesta região, a África do Sul, o país mais afetado do continente, contabiliza um total de 730.548 casos de infeção e 19.585 mortes.

O norte de África, a segunda zona mais afetada pela pandemia, regista um total de 538.651 pessoas infectadas e 14.848 mortos e na África Oriental há 220.948 infectados e 4.052 vítimas mortais.

Na região da África Ocidental, o número de infecções é de 192.144, com 2.783 vítimas mortais, e a África Central regista 60.983 casos e 1.155 óbitos.

O Egipto, que é o segundo país africano com mais vítimas mortais, a seguir à África do Sul, regista 6.318 mortos e 108.329 infectados, seguindo-se Marrocos, que contabiliza 3.982 vítimas mortais e 235.310 casos de infecção.

A Argélia surge logo a seguir, com 59.527 infecções e 1.999 mortos.

Entre os seis países mais afectados estão também a Etiópia, que regista 97.881 casos de infecção e 1.503 vítimas mortais, e a Nigéria, com 63.328 infectados e 1.155 mortos.

Entre os países africanos que têm o português como língua oficial, Angola lidera em número de mortos e Moçambique tem o maior número de casos.

Angola regista 296 óbitos e 11.813 casos, seguindo-se Cabo Verde (95 mortos e 9.053 casos), Moçambique (95 mortos e 13.283 casos), Guiné Equatorial (83 mortos e 5.089 casos), Guiné-Bissau (42 mortos e 2.414 casos) e São Tomé e Príncipe (16 mortos e 958 casos).

O primeiro caso de covid-19 em África surgiu no Egipto, a 14 de Fevereiro, e a Nigéria foi o primeiro país da África subsaariana a registar casos de infecção, a 28 de Fevereiro.