África com mais 301 mortos e 8.746 novos casos nas últimas 24h

  • Pacientes de Covid-19 em tratamento no km29
Adis Abeba - A África registou mais 301 mortos associados à covid-19 nas últimas 24 horas, para um total de 125.404 óbitos desde o início da pandemia, e 8.746 novos casos, segundo dados oficiais.

De acordo com o Centro de Controlo e Prevenção de Doenças da União Africana (África CDC), o número total de casos é de 4.660.301 e o de recuperados nas últimas 24 horas foi de 8.785, totalizando 4.219.117 desde o início da pandemia.

A África Austral lidera com 1.997.901 infectados e 62.873 mortos associados à doença covid-19. Nesta região, a África do Sul, o país mais atingido pela doença no continente, contabiliza 1.602.031 casos e 54.968 óbitos.

A África do Norte é a segunda zona mais atingida, com 1.404.563 infectados e 41.747 vítimas mortais.

A África Oriental regista 625.701 infecções e 12.001 mortos, enquanto na África Ocidental o número de contaminações é de 465.615 e o de falecidos é de 6.145.

Na África Central, os casos de infecção ascendem a 166.521 e há 2.638 óbitos registados.

O Egipto é o segundo país africano com mais vítimas mortais, totalizando agora 14.091 óbitos e 240.927 infectados, seguindo-se a Tunísia (11.637 mortos e 324.103 casos de infecção), Marrocos (514.432 casos de infecção e 9.088 mortos), a Etiópia (3.938 vítimas mortais e 264.367 infecções) e a Argélia (3.350 mortos e 124.682 infectados).

Em relação aos países de língua oficial portuguesa, Moçambique regista 826 mortos e 70.287 casos, seguindo-se Angola (645 óbitos e 29.405 casos de infecção), Cabo Verde (238 mortos e 27.029 casos), Guiné Equatorial (112 óbitos e 7.694 casos), Guiné-Bissau (67 mortos e 3.739 casos) e São Tomé e Príncipe (35 mortos e 2.314 casos).

O primeiro caso de covid-19 em África surgiu no Egipto, em 14 de Fevereiro de 2020, e a Nigéria foi o primeiro país da África subsaariana a registar casos de infecção, em 28 desse  mesmo mês.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 3.319.512 mortos no mundo, resultantes de mais de 159,5 milhões de casos de infecção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detectado no final de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

 

De acordo com o Centro de Controlo e Prevenção de Doenças da União Africana (África CDC), o número total de casos é de 4.660.301 e o de recuperados nas últimas 24 horas foi de 8.785, totalizando 4.219.117 desde o início da pandemia.

A África Austral lidera com 1.997.901 infectados e 62.873 mortos associados à doença covid-19. Nesta região, a África do Sul, o país mais atingido pela doença no continente, contabiliza 1.602.031 casos e 54.968 óbitos.

A África do Norte é a segunda zona mais atingida, com 1.404.563 infectados e 41.747 vítimas mortais.

A África Oriental regista 625.701 infecções e 12.001 mortos, enquanto na África Ocidental o número de contaminações é de 465.615 e o de falecidos é de 6.145.

Na África Central, os casos de infecção ascendem a 166.521 e há 2.638 óbitos registados.

O Egipto é o segundo país africano com mais vítimas mortais, totalizando agora 14.091 óbitos e 240.927 infectados, seguindo-se a Tunísia (11.637 mortos e 324.103 casos de infecção), Marrocos (514.432 casos de infecção e 9.088 mortos), a Etiópia (3.938 vítimas mortais e 264.367 infecções) e a Argélia (3.350 mortos e 124.682 infectados).

Em relação aos países de língua oficial portuguesa, Moçambique regista 826 mortos e 70.287 casos, seguindo-se Angola (645 óbitos e 29.405 casos de infecção), Cabo Verde (238 mortos e 27.029 casos), Guiné Equatorial (112 óbitos e 7.694 casos), Guiné-Bissau (67 mortos e 3.739 casos) e São Tomé e Príncipe (35 mortos e 2.314 casos).

O primeiro caso de covid-19 em África surgiu no Egipto, em 14 de Fevereiro de 2020, e a Nigéria foi o primeiro país da África subsaariana a registar casos de infecção, em 28 desse  mesmo mês.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 3.319.512 mortos no mundo, resultantes de mais de 159,5 milhões de casos de infecção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detectado no final de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.