África do Sul: Arranca terceira Conferência sobre o Investimento

Johanesburgo (Da correspondente) - A primeira etapa da Conferencia de Investimento na África do Sul arrancou no início desta tarde no Centro de Convenções de Sandton, na cidade de Johanesburgo.

O evento, que vai no seu terceiro ano, tem como objectivo atrair 1,2 triliões de Randes em investimentos.

Desde o ano de 2018, o certame garantiu mais de  650 biliões de Randes em aplicações, à medida que líderes empresariais, governamentais e da comunidade de investidores estabeleceram relacionamentos e exploram maneiras de reacender o crescimento na África do Sul.

A edição 2020 da Conferência, ocorre numa altura em que países ao redor do mundo continuam a lutar contra a pandemia da COVID-19 com poucos fundos a disposição.

Para o dia de hoje, o evento vai discutir painéis sectoriais sobre a construção e implementação do plano de energia da África do Sul, oportunidades de crescimento de pequenas empresas, reforma agraria e desbloqueio de cadeias de valor agrícolas, investimento em infraestrutura, mineração, tecnologias de informação e comunicação e oportunidades digitais.

Em linha com os protocolos da COVID-19, o certame anual está a ser maioritariamente virtual com um número limitado de participantes presentes.

A conferência vai priorizar a recuperação do país da pandemia, o Plano de Reconstrução e Recuperação Económica anunciado recentemente pelo Presidente Cyril Ramaphosa.

A África do Sul vai usar o evento para fornecer uma plataforma que mostre o crescimento e as perspectivas de investimento numa economia com vasto potencial e abundantes recursos.

Os investidores têm esta oportunidade única de se envolverem com os representantes do governo, no progresso em direcção a renovação política e econômica, fortalecendo a credibilidade das instituições públicas e desbloqueando o potencial latente e o espírito inovador da economia sul-africana.

Uma ocasião de investimento chave definida para ocupar o palco central na conferência, é a Área de Comércio Livre Continental de África  (AfCFTA).

O pacto conecta 1,3 biliões de pessoas em 55 países, com um Produto Interno Bruto (PIB) combinado avaliado em sete triliões de Randes.

O AfCFTA torna real que se explorem outras zonas de um continente integrado e permite que os países africanos trabalhem juntos num ambiente livre de tarifas comerciais, tornando África numa força dinâmica na arena internacional.

 

O evento, que vai no seu terceiro ano, tem como objectivo atrair 1,2 triliões de Randes em investimentos.

Desde o ano de 2018, o certame garantiu mais de  650 biliões de Randes em aplicações, à medida que líderes empresariais, governamentais e da comunidade de investidores estabeleceram relacionamentos e exploram maneiras de reacender o crescimento na África do Sul.

A edição 2020 da Conferência, ocorre numa altura em que países ao redor do mundo continuam a lutar contra a pandemia da COVID-19 com poucos fundos a disposição.

Para o dia de hoje, o evento vai discutir painéis sectoriais sobre a construção e implementação do plano de energia da África do Sul, oportunidades de crescimento de pequenas empresas, reforma agraria e desbloqueio de cadeias de valor agrícolas, investimento em infraestrutura, mineração, tecnologias de informação e comunicação e oportunidades digitais.

Em linha com os protocolos da COVID-19, o certame anual está a ser maioritariamente virtual com um número limitado de participantes presentes.

A conferência vai priorizar a recuperação do país da pandemia, o Plano de Reconstrução e Recuperação Económica anunciado recentemente pelo Presidente Cyril Ramaphosa.

A África do Sul vai usar o evento para fornecer uma plataforma que mostre o crescimento e as perspectivas de investimento numa economia com vasto potencial e abundantes recursos.

Os investidores têm esta oportunidade única de se envolverem com os representantes do governo, no progresso em direcção a renovação política e econômica, fortalecendo a credibilidade das instituições públicas e desbloqueando o potencial latente e o espírito inovador da economia sul-africana.

Uma ocasião de investimento chave definida para ocupar o palco central na conferência, é a Área de Comércio Livre Continental de África  (AfCFTA).

O pacto conecta 1,3 biliões de pessoas em 55 países, com um Produto Interno Bruto (PIB) combinado avaliado em sete triliões de Randes.

O AfCFTA torna real que se explorem outras zonas de um continente integrado e permite que os países africanos trabalhem juntos num ambiente livre de tarifas comerciais, tornando África numa força dinâmica na arena internacional.