África do Sul: País transita para a recuperação económica - Presidente

Pretória (Da Correspondente) - O Presidente da África do Sul, Cyril Ramaphosa, disse, segunda-feira, que após meses de luta contra a pandemia da Covid-19, o país está agora em fase de transição da ajuda para a recuperação económica.

 

 

“As medidas de emergência que implementamos, estabeleceram uma base sólida sobre a qual podemos reconstruir a nossa economia. Como o foco agora muda para a implementação do Plano de Reconstrução e Recuperação Económica, a nossa prioridade será estimular o crescimento e criar empregos. Já houve progressos em várias áreas”, enfatizou o Presidente.

 

O Chefe de Estado fez estas declarações no seu boletim informativo semanal, na sua conta do Twitter, a que a Angop teve acesso.

 

Cyril Ramaphosa adianta que estão em marcha novos compromissos de financiamento para o desenvolvimento de infraestruturas, após uma mesa redonda sobre vários projectos, na semana finda.

 

“Muitos programas de emprego, sob estímulo presidencial, tiveram início. Estamos a avançar com reformas econômicas em aéreas como energia e telecomunicações”, acrescentou.

 

Segundo disse, os planos estão a ser convertidos em acções e os compromissos vão-se reflectindo em postos de trabalho e oportunidades.

 

Recordou que quando o Estado Nacional de Desastre foi declarado em Março último, a prioridade imediata era conter a propagação do vírus e fornecer ajuda emergencial aos cidadãos, comunidades, trabalhadores e empresas.

 

Ao longo de oito meses e com o apoio dos parceiros sociais, o governo lançou um amplo conjunto de medidas para limitar o impacto social e económico da pandemia, disse.

 

Durante este período, acrescentou o Estadista, o executivo expandiu, de forma maciça, a proteção social numa escala sem precedentes. Além dos auxílios sociais existentes para mais de 17 milhões de pessoas, todos os meses, o governo complementou os subsídios para os idosos, pessoas incapacitadas e a pensão.

 

Como outra intervenção, sublinhou, “o executivo lançou um recurso especial COVID-19 para alívio social em situações de emergência, que já atingiu seis milhões de cidadãos até ao momento”.

 

“A escala de tal empreendimento não pode ser subestimada. Para colocar este sistema online, houve uma ampla colaboração entre a Agência de Segurança Social da Africa do Sul, o Serviço de Receitas do país, Assuntos Internos e muitos outros”, enfatizou o mais alto mandatário da Nação.

 

 

“As medidas de emergência que implementamos, estabeleceram uma base sólida sobre a qual podemos reconstruir a nossa economia. Como o foco agora muda para a implementação do Plano de Reconstrução e Recuperação Económica, a nossa prioridade será estimular o crescimento e criar empregos. Já houve progressos em várias áreas”, enfatizou o Presidente.

 

O Chefe de Estado fez estas declarações no seu boletim informativo semanal, na sua conta do Twitter, a que a Angop teve acesso.

 

Cyril Ramaphosa adianta que estão em marcha novos compromissos de financiamento para o desenvolvimento de infraestruturas, após uma mesa redonda sobre vários projectos, na semana finda.

 

“Muitos programas de emprego, sob estímulo presidencial, tiveram início. Estamos a avançar com reformas econômicas em aéreas como energia e telecomunicações”, acrescentou.

 

Segundo disse, os planos estão a ser convertidos em acções e os compromissos vão-se reflectindo em postos de trabalho e oportunidades.

 

Recordou que quando o Estado Nacional de Desastre foi declarado em Março último, a prioridade imediata era conter a propagação do vírus e fornecer ajuda emergencial aos cidadãos, comunidades, trabalhadores e empresas.

 

Ao longo de oito meses e com o apoio dos parceiros sociais, o governo lançou um amplo conjunto de medidas para limitar o impacto social e económico da pandemia, disse.

 

Durante este período, acrescentou o Estadista, o executivo expandiu, de forma maciça, a proteção social numa escala sem precedentes. Além dos auxílios sociais existentes para mais de 17 milhões de pessoas, todos os meses, o governo complementou os subsídios para os idosos, pessoas incapacitadas e a pensão.

 

Como outra intervenção, sublinhou, “o executivo lançou um recurso especial COVID-19 para alívio social em situações de emergência, que já atingiu seis milhões de cidadãos até ao momento”.

 

“A escala de tal empreendimento não pode ser subestimada. Para colocar este sistema online, houve uma ampla colaboração entre a Agência de Segurança Social da Africa do Sul, o Serviço de Receitas do país, Assuntos Internos e muitos outros”, enfatizou o mais alto mandatário da Nação.