África do Sul: Presidente fala de oportunidades na véspera da Conferência sobre Investimento

Pretória (Da correspondente) - O Presidente sul-africano disse que a 3ª Conferência sobre o Investimento, a iniciar-se terça-feira, 17, tem como tema central os avanços na condução das reformas econômicas necessárias para desbloquear o investimento e o crescimento.

 

 

Cyril Ramaphosa fez tais declarações numa mensagem a que a Angop teve acesso, inserida na última edição do seu boletim semanal, a sensivelmente 24 horas do arranque do certame, que se estenderá até ao dia 18 do corrente mês,

De acordo com o Presidente, durante o evento , o país mostrará os seus pontos fortes e como aproveitar para atrair novas oportunidades de negócios.

 

Para ele, a confiança dos investidores foi impulsionada, entre outras coisas, pela criação do Fundo de Infraestruturas e a finalização de planos-mestres no ramo da indústria têxtil e outros sectores.

 

Disse que a África do Sul já é um destino perfeito de aplicações no ramo da energia, com muitos dos projectos executados através do Programa de Aquisição de Produtores Independentes de Energias Renováveis, bem sucedidos em outros países.

 

Com o arranque, em Janeiro próximo, da Área de Livre Comércio Continental Africano (AfCFTA), um dos objectivos na busca de investidores continentais, o país expandirá o raio de acção das suas aplicações e o mercado de bens e serviços SA se alargarão a outros destinos em África, acrescentou Ramaphosa.

 

Hoje, sublinha o Estadista, "mais de um quarto das exportações do nosso país reparte-se em África e esperamos que isso aumente a medida que a AfCFTA estabeleça um mercado continental de cerca de 1,3 biliões de pessoas e um PIB combinado a volta de 2,3 triliões de dólares americanos.

 

"Não somos o único país a tentar atrair investimentos como parte de seus esforços de recuperação económica após a Covid-19 e isso torna a nossa tarefa muito mais difícil", considerou.

 

"Este limite só pode ser alcançado se o governo trabalhar em conjunto com as empresas, os trabalhadores e toda a sociedade para garantir que as sementes local e internacional caiam em solo fértil. Só assim melhoraremos os padrões de vida do nosso povo e em última instância se construa a estrada que nos levará  a um futuro melhor e mais inclusivo", conclui o Presidente da África do Sul.

Devido à pandemia da Covid-19, a Conferência sobre Investimento deste ano será limitada a 175 delegados, entre empresários que participarão pessoalmente, empresas cotadas, emergentes, associações empresariais e o governo. Mais de 1000 delegados de diferentes partes do mundo estão inscritos para participarem no evento online, conclui o Presidente sul-africano.

 

 

Cyril Ramaphosa fez tais declarações numa mensagem a que a Angop teve acesso, inserida na última edição do seu boletim semanal, a sensivelmente 24 horas do arranque do certame, que se estenderá até ao dia 18 do corrente mês,

De acordo com o Presidente, durante o evento , o país mostrará os seus pontos fortes e como aproveitar para atrair novas oportunidades de negócios.

 

Para ele, a confiança dos investidores foi impulsionada, entre outras coisas, pela criação do Fundo de Infraestruturas e a finalização de planos-mestres no ramo da indústria têxtil e outros sectores.

 

Disse que a África do Sul já é um destino perfeito de aplicações no ramo da energia, com muitos dos projectos executados através do Programa de Aquisição de Produtores Independentes de Energias Renováveis, bem sucedidos em outros países.

 

Com o arranque, em Janeiro próximo, da Área de Livre Comércio Continental Africano (AfCFTA), um dos objectivos na busca de investidores continentais, o país expandirá o raio de acção das suas aplicações e o mercado de bens e serviços SA se alargarão a outros destinos em África, acrescentou Ramaphosa.

 

Hoje, sublinha o Estadista, "mais de um quarto das exportações do nosso país reparte-se em África e esperamos que isso aumente a medida que a AfCFTA estabeleça um mercado continental de cerca de 1,3 biliões de pessoas e um PIB combinado a volta de 2,3 triliões de dólares americanos.

 

"Não somos o único país a tentar atrair investimentos como parte de seus esforços de recuperação económica após a Covid-19 e isso torna a nossa tarefa muito mais difícil", considerou.

 

"Este limite só pode ser alcançado se o governo trabalhar em conjunto com as empresas, os trabalhadores e toda a sociedade para garantir que as sementes local e internacional caiam em solo fértil. Só assim melhoraremos os padrões de vida do nosso povo e em última instância se construa a estrada que nos levará  a um futuro melhor e mais inclusivo", conclui o Presidente da África do Sul.

Devido à pandemia da Covid-19, a Conferência sobre Investimento deste ano será limitada a 175 delegados, entre empresários que participarão pessoalmente, empresas cotadas, emergentes, associações empresariais e o governo. Mais de 1000 delegados de diferentes partes do mundo estão inscritos para participarem no evento online, conclui o Presidente sul-africano.