África regista aumento de quase 13 mil casos nas últimas 24 horas

Addis Abeba - África registou nas últimas 24 horas um aumento de quase 13 mil casos de infecção pelo novo coronavírus na região onde 1,8 milhões de pessoas já foram infectadas e 44.471 morreram desde o início da pandemia.

De acordo com o Centro de Controlo e Prevenção de Doenças da União Africana (África CDC), nos 55 Estados-membros da organização, contabilizam-se hoje 1.855.396 infectados, (mais 12.933 que no dia anterior), 44.471 mortos (após uma revisão em baixa de alguns países) e 1.555.271 recuperados (mais 12.422).

O maior número de casos de contaminações e de mortes continua a registar-se na África Austral, com 820.036 infecções, 21.252 mortes por covid-19 e 745.525 recuperados.

A África Oriental regista 224.614 casos e 4.123 mortos e na região da África Ocidental há agora 193.145 infectados, dos quais 2.789 são vítimas mortais. A África Central contabiliza 61.091 casos e mantém os 1.155 óbitos.

A África do Sul é o país com mais vítimas mortais (19.799), seguido do Egito com 6.343 mortos e 108.754 contaminados, seguindo-se Marrocos, que contabiliza 4.127 vítimas mortais e 246.349 casos de infecção.

A Argélia surge logo a seguir, com 60.811 infecções e 2.023 mortos.

Entre os seis países mais afectados estão também a Etiópia, que regista 98.746 casos de infecção e 1.512 vítimas mortais, e a Nigéria, com 63.731 infetados e 1.154 mortos.

Entre os países africanos que têm o português como língua oficial, Angola lidera em número de mortos e Moçambique tem o maior número de casos.

Angola regista 300 óbitos e 12.223 casos, seguindo-se Cabo Verde (100 mortos e 9.224 casos), Moçambique (99 mortos e 13.485 casos), Guiné Equatorial (85 mortos e 5.092 casos), Guiné-Bissau (42 mortos e 2.414 casos) e São Tomé e Príncipe (16 mortos e 960 casos).

O primeiro caso de covid-19 em África surgiu no Egipto, em 14 de Fevereiro, e a Nigéria foi o primeiro país da África subsaariana a registar casos de infecção, em 28 de Fevereiro.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 1,2 milhões de mortos em mais de 49,3 milhões de casos de infecção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de Dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

De acordo com o Centro de Controlo e Prevenção de Doenças da União Africana (África CDC), nos 55 Estados-membros da organização, contabilizam-se hoje 1.855.396 infectados, (mais 12.933 que no dia anterior), 44.471 mortos (após uma revisão em baixa de alguns países) e 1.555.271 recuperados (mais 12.422).

O maior número de casos de contaminações e de mortes continua a registar-se na África Austral, com 820.036 infecções, 21.252 mortes por covid-19 e 745.525 recuperados.

A África Oriental regista 224.614 casos e 4.123 mortos e na região da África Ocidental há agora 193.145 infectados, dos quais 2.789 são vítimas mortais. A África Central contabiliza 61.091 casos e mantém os 1.155 óbitos.

A África do Sul é o país com mais vítimas mortais (19.799), seguido do Egito com 6.343 mortos e 108.754 contaminados, seguindo-se Marrocos, que contabiliza 4.127 vítimas mortais e 246.349 casos de infecção.

A Argélia surge logo a seguir, com 60.811 infecções e 2.023 mortos.

Entre os seis países mais afectados estão também a Etiópia, que regista 98.746 casos de infecção e 1.512 vítimas mortais, e a Nigéria, com 63.731 infetados e 1.154 mortos.

Entre os países africanos que têm o português como língua oficial, Angola lidera em número de mortos e Moçambique tem o maior número de casos.

Angola regista 300 óbitos e 12.223 casos, seguindo-se Cabo Verde (100 mortos e 9.224 casos), Moçambique (99 mortos e 13.485 casos), Guiné Equatorial (85 mortos e 5.092 casos), Guiné-Bissau (42 mortos e 2.414 casos) e São Tomé e Príncipe (16 mortos e 960 casos).

O primeiro caso de covid-19 em África surgiu no Egipto, em 14 de Fevereiro, e a Nigéria foi o primeiro país da África subsaariana a registar casos de infecção, em 28 de Fevereiro.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 1,2 milhões de mortos em mais de 49,3 milhões de casos de infecção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de Dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.