Alto comissário da ONU para preocupado com situação "perigosa" no Chade

Kinshasa - O alto comissário das Nações Unidas para os Refugiados, Filippo Grandi, manifestou-se hoje preocupado com a situação "perigosa" no Chade, no seu terceiro dia de visita à República Democrática do Congo (RDC), país com cinco milhões de deslocados internos.

"Recentemente, a evolução no Chade é muito perigosa", disse Grandi numa conferência de imprensa em Kinshasa, referindo-se à morte do Presidente, Idriss Déby Itno, rendido no poder por um dos seus filhos, que lidera um Conselho Militar de Transição (CMT).

"O Chade desempenha um papel importante na estabilidade do Sahel, que é uma região onde as crises humanitárias e as deslocações são muito importantes", disse o responsável, citado pela agência France Presse (AFP).

Grandi, chefe do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), prometeu que iria debater com o chefe de Estado congolês, Félix Tshisekedi, atual presidente da União Africana (UA), esta e "outras situações" no continente que preocupam a agência da ONU, como a Etiópia e o Sudão.

O líder do ACNUR abordou a maré migratória que atinge a RDC, que conta com cinco milhões de deslocados internos, 940.000 refugiados em países vizinhos, e cerca de 500.000 refugiados estrangeiros no seu solo.

"Assistimos a um aumento em flecha dos deslocados [internos]. Estamos a falar de um milhão de pessoas deslocadas só em Ituri [província no leste]. Estas são situações realmente graves", assinalou.

Grandi comprometeu-se a defender reuniões tripartidas entre a RDC, o ACNUR e cada um dos países que acolhem 940.000 refugiados congoleses, de modo a organizar o regresso dos que o pretendem fazer.

Na terça-feira, Grandi visitou o norte da RDC, junto à fronteira com a República Centro Africana (RCA), onde milhares de centro-africanos se refugiaram após a violência próxima das eleições de dezembro de 2020.

"Recentemente, a evolução no Chade é muito perigosa", disse Grandi numa conferência de imprensa em Kinshasa, referindo-se à morte do Presidente, Idriss Déby Itno, rendido no poder por um dos seus filhos, que lidera um Conselho Militar de Transição (CMT).

"O Chade desempenha um papel importante na estabilidade do Sahel, que é uma região onde as crises humanitárias e as deslocações são muito importantes", disse o responsável, citado pela agência France Presse (AFP).

Grandi, chefe do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), prometeu que iria debater com o chefe de Estado congolês, Félix Tshisekedi, atual presidente da União Africana (UA), esta e "outras situações" no continente que preocupam a agência da ONU, como a Etiópia e o Sudão.

O líder do ACNUR abordou a maré migratória que atinge a RDC, que conta com cinco milhões de deslocados internos, 940.000 refugiados em países vizinhos, e cerca de 500.000 refugiados estrangeiros no seu solo.

"Assistimos a um aumento em flecha dos deslocados [internos]. Estamos a falar de um milhão de pessoas deslocadas só em Ituri [província no leste]. Estas são situações realmente graves", assinalou.

Grandi comprometeu-se a defender reuniões tripartidas entre a RDC, o ACNUR e cada um dos países que acolhem 940.000 refugiados congoleses, de modo a organizar o regresso dos que o pretendem fazer.

Na terça-feira, Grandi visitou o norte da RDC, junto à fronteira com a República Centro Africana (RCA), onde milhares de centro-africanos se refugiaram após a violência próxima das eleições de dezembro de 2020.