Autarca cabo-verdiano em “estado de saúde muito critico” após tentar suicidar-se

Praia - O estado clinico do presidente da Câmara Municipal de Santa Catarina, José Alves Fernandes, na ilha cabo-verdiana de Santiago, que alegadamente tentou suicidar-se terça-feira de , na madrugada, está “muito crítico, correndo o risco de vida”, revelou Victor Costa, director clínico do Hospital Agostinho Neto (HAN), na cidade da Praia.

Em conferência de imprensa, o também médico-cirurgião disse que o autarca sofreu uma lesão por arma de fogo na região temporal esquerda que provocou “um traumatismo craniano encefálico grave” mas que  serviços hospitalares estão a trabalhar no sentido de “reverter esta situação muito preocupante”.

Face à natureza da lesão, o clínico revelou que já foram feitos todos os exames necessários e que todo o esforço está a ser envidado para “tentar compensar o paciente, que no entanto continua com um prognóstico muito reservado”.

Segundo avançou Victor Costa, a Tomografia Axial Computorizada (TAC) a que o paciente foi submetido confirma esta lesão por arma de fogo com fracturas e também com lesões intraparentematosas, portanto ao nível do cérebro, com hemorragias que se transformam numa situação muito reservada e num prognóstico muito reservado para vida do paciente.

A equipa de neurocirurgia, adiantou, já discutiu e continua a debruçar-se sobre a situação para determinar a melhor conduta, tendo sublinhado que “se a situação permitir sinais que indicam para uma eventual cirurgia com sucesso” poderá o paciente a ela ser submetido.

O clínico foi peremptório em afirmar que, “até o momento, não houve indicações, dada a gravidade da lesão.”

Colocou de momento fora de hipótese a transferência do paciente para o estrangeiro.

A seu ver, as lesões sofridas “sequer permitem uma intervenção cirúrgica.”

Num comunicado publicado na manha da terça-feira, a Polícia Judiciária (PJ) cabo-verdiana divulgou que o presidente da Câmara Municipal de Santa Catarina de Santiago, encontrado baleado na sua própria casa, na cidade de Assomada, tentou suicidar-se, mas que  investigações continuam.

"Feitas as diligências preliminares e recolhidas informações no local, a Polícia Judiciária comunica que tudo aponta que se trata de uma tentativa de suicídio. No entanto, investigações procedem, para um cabal esclarecimento do caso", avançou o comunicado.

Na mesma nota, a PJ cabo-verdiana referiu ter sido chamada na madrugada de hoje para se inteirar de uma ocorrência na residência do autarca.

No local, a PJ foi informada que o residente tinha sido conduzido ao Hospital Regional Santiago Norte, na sequência de um "autodisparo" de arma de fogo.

José Alves Fernandes, mais conhecido por Beto Alves, foi reeleito para um segundo mandato à frente de Santa Catarina, como apoio do Movimento para a Democracia (MpD), partido no poder, nas eleições autárquicas de 25 de Outubro último.

Entretanto, o líder do MpD e primeiro-ministro cabo-verdiano, Ulisses Correia e Silva, cancelou a sua agenda da terça-feira devido ao caso do presidente da Câmara Municipal de Santa Catarina.

Ulisses Correia e Silva devia dar, terça-feira, seguimento a uma visita ao município do Tarrafal de Santiago.

Na tarde do mesmo dia,  ele devia presidir, juntamente com o autarca José Alves Fernandes, ao acto de inauguração de uma obra de electrificação em Poilão de Engenhos, no município de Santa Catarina.

Em comunicado, o primeiro-ministro adiantou acompanhar com “sentimento de tristeza e com pensamento positivo” o desenrolar do quadro reservado do presidente da câmara de Santa Catarina.

Também manifestou solidariedade e apoio do Governo à sua família, aos amigos e colegas de trabalho "nesta hora difícil e neste momento de sofrimento”.

Em conferência de imprensa, o também médico-cirurgião disse que o autarca sofreu uma lesão por arma de fogo na região temporal esquerda que provocou “um traumatismo craniano encefálico grave” mas que  serviços hospitalares estão a trabalhar no sentido de “reverter esta situação muito preocupante”.

Face à natureza da lesão, o clínico revelou que já foram feitos todos os exames necessários e que todo o esforço está a ser envidado para “tentar compensar o paciente, que no entanto continua com um prognóstico muito reservado”.

Segundo avançou Victor Costa, a Tomografia Axial Computorizada (TAC) a que o paciente foi submetido confirma esta lesão por arma de fogo com fracturas e também com lesões intraparentematosas, portanto ao nível do cérebro, com hemorragias que se transformam numa situação muito reservada e num prognóstico muito reservado para vida do paciente.

A equipa de neurocirurgia, adiantou, já discutiu e continua a debruçar-se sobre a situação para determinar a melhor conduta, tendo sublinhado que “se a situação permitir sinais que indicam para uma eventual cirurgia com sucesso” poderá o paciente a ela ser submetido.

O clínico foi peremptório em afirmar que, “até o momento, não houve indicações, dada a gravidade da lesão.”

Colocou de momento fora de hipótese a transferência do paciente para o estrangeiro.

A seu ver, as lesões sofridas “sequer permitem uma intervenção cirúrgica.”

Num comunicado publicado na manha da terça-feira, a Polícia Judiciária (PJ) cabo-verdiana divulgou que o presidente da Câmara Municipal de Santa Catarina de Santiago, encontrado baleado na sua própria casa, na cidade de Assomada, tentou suicidar-se, mas que  investigações continuam.

"Feitas as diligências preliminares e recolhidas informações no local, a Polícia Judiciária comunica que tudo aponta que se trata de uma tentativa de suicídio. No entanto, investigações procedem, para um cabal esclarecimento do caso", avançou o comunicado.

Na mesma nota, a PJ cabo-verdiana referiu ter sido chamada na madrugada de hoje para se inteirar de uma ocorrência na residência do autarca.

No local, a PJ foi informada que o residente tinha sido conduzido ao Hospital Regional Santiago Norte, na sequência de um "autodisparo" de arma de fogo.

José Alves Fernandes, mais conhecido por Beto Alves, foi reeleito para um segundo mandato à frente de Santa Catarina, como apoio do Movimento para a Democracia (MpD), partido no poder, nas eleições autárquicas de 25 de Outubro último.

Entretanto, o líder do MpD e primeiro-ministro cabo-verdiano, Ulisses Correia e Silva, cancelou a sua agenda da terça-feira devido ao caso do presidente da Câmara Municipal de Santa Catarina.

Ulisses Correia e Silva devia dar, terça-feira, seguimento a uma visita ao município do Tarrafal de Santiago.

Na tarde do mesmo dia,  ele devia presidir, juntamente com o autarca José Alves Fernandes, ao acto de inauguração de uma obra de electrificação em Poilão de Engenhos, no município de Santa Catarina.

Em comunicado, o primeiro-ministro adiantou acompanhar com “sentimento de tristeza e com pensamento positivo” o desenrolar do quadro reservado do presidente da câmara de Santa Catarina.

Também manifestou solidariedade e apoio do Governo à sua família, aos amigos e colegas de trabalho "nesta hora difícil e neste momento de sofrimento”.