Banco Central Líbio projecta estabilizar preços e segurança de seu sistema

Tripoli - O Banco Central da Líbia (BCL) realizou esta segunda-feira uma reunião preliminar para discutir a reactivação do seu Conselho de Administração "a fim de alcançar os objectivos do banco de, entre outros, estabilizar o nível geral de preços e apoiar a segurança do sistema bancário."

Um comunicado do BCL em Tripoli indica que a reunião foi "dominada por um espírito de optimismo e uma visão comum para o interesse geral."

A meta foi alcançar uma visão optimista para o futuro, através da implementação duma política monetária apropriada, ajustando a taxa de câmbio para assegurar a sustentabilidade da integridade financeira e monetária a longo prazo.

Também é meta orientar a política fiscal para a implementação das importantes reformas que acompanham este importante acontecimento, lê-se no documento.

Desde 2014, o BCL está separado duma sucursal em Beidha (leste), dependente do governo paralelo não reconhecido pela comunidade internacional.

Esta situação impediu a reunião do Conselho de Administração do BCL e impactou a gestão económica do país e o papel desta instituição financeira da Líbia,  confrontado com o caos da segurança e a existência de duas versões do dinar, moeda nacional.

Além da versão oficial do dinar em circulação, uma outra é impressa na Rússia, a pedido das autoridades do Governo paralelo de Benghazi, no leste do país,

Todavia, o presidente do Conselho Presidencial do Governo líbio de União Nacional, Fayez al-Sarraj, manifestou recentemente a vontade de resolver esta situação, instando ao Conselho de Administração do Banco Central a unificar a taxa de câmbio do dinar.

A taxa de câmbio do dinar líbio sofreu, nos últimos anos, uma queda vertiginosa, devido à insegurança e bloqueios dos locais de produção e exportação de petróleo, principal fonte de rendimento do Estado líbio.

Actualmente, no mercado negro, troca-se 1 dólar americano por 6,5 dinares líbios, enquanto, na taxa de câmbio oficial, 1 dólar americano equivale a 1,38 dinares líbios.

Um comunicado do BCL em Tripoli indica que a reunião foi "dominada por um espírito de optimismo e uma visão comum para o interesse geral."

A meta foi alcançar uma visão optimista para o futuro, através da implementação duma política monetária apropriada, ajustando a taxa de câmbio para assegurar a sustentabilidade da integridade financeira e monetária a longo prazo.

Também é meta orientar a política fiscal para a implementação das importantes reformas que acompanham este importante acontecimento, lê-se no documento.

Desde 2014, o BCL está separado duma sucursal em Beidha (leste), dependente do governo paralelo não reconhecido pela comunidade internacional.

Esta situação impediu a reunião do Conselho de Administração do BCL e impactou a gestão económica do país e o papel desta instituição financeira da Líbia,  confrontado com o caos da segurança e a existência de duas versões do dinar, moeda nacional.

Além da versão oficial do dinar em circulação, uma outra é impressa na Rússia, a pedido das autoridades do Governo paralelo de Benghazi, no leste do país,

Todavia, o presidente do Conselho Presidencial do Governo líbio de União Nacional, Fayez al-Sarraj, manifestou recentemente a vontade de resolver esta situação, instando ao Conselho de Administração do Banco Central a unificar a taxa de câmbio do dinar.

A taxa de câmbio do dinar líbio sofreu, nos últimos anos, uma queda vertiginosa, devido à insegurança e bloqueios dos locais de produção e exportação de petróleo, principal fonte de rendimento do Estado líbio.

Actualmente, no mercado negro, troca-se 1 dólar americano por 6,5 dinares líbios, enquanto, na taxa de câmbio oficial, 1 dólar americano equivale a 1,38 dinares líbios.