Bolsonaro agradece a Cabo Verde por apoio à entrada do Brasil no CS da ONU

  • Jair Bolsonaro, Presidente do Brasil
Brasília - O presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, agradeceu hoje ao homólogo de Cabo Verde, Jorge Carlos Fonseca, pelo apoio na votação para a entrada do Brasil no Conselho de Segurança (CS) da ONU, no qual agora ocupa cadeira não permanente.

Os dois líderes tiveram reunião a portas fechadas no Palácio do Planalto, em Brasília, após o chefe de Estado cabo-verdiano ter sido recebido com solenidade militar.

"Agradeço ao presidente Jorge por todos os momentos em que nos ajudou nas eleições para organismos internacionais, como a última, a nossa cadeira não permanente no Conselho de Segurança da ONU, uma marca da nossa diplomacia", disse em discurso.

A visita, segundo Bolsonaro, serviu para reafirmar a cooperação entre as duas nações e avançar no acordo de mobilidade entre os países, que "facilitará o trânsito dos nossos povos".

Fonseca ressaltou as semelhanças culturais de Brasil e Cabo Verde e demonstrou desejo de aproximação económica. "Esta visita simboliza a vontade de Cabo Verde e do Brasil de cimentar este relacionamento, estendê-lo, alargá-lo e chegarmos também a uma cooperação económica e empresarial mais visível", disse.

 

Os dois líderes tiveram reunião a portas fechadas no Palácio do Planalto, em Brasília, após o chefe de Estado cabo-verdiano ter sido recebido com solenidade militar.

"Agradeço ao presidente Jorge por todos os momentos em que nos ajudou nas eleições para organismos internacionais, como a última, a nossa cadeira não permanente no Conselho de Segurança da ONU, uma marca da nossa diplomacia", disse em discurso.

A visita, segundo Bolsonaro, serviu para reafirmar a cooperação entre as duas nações e avançar no acordo de mobilidade entre os países, que "facilitará o trânsito dos nossos povos".

Fonseca ressaltou as semelhanças culturais de Brasil e Cabo Verde e demonstrou desejo de aproximação económica. "Esta visita simboliza a vontade de Cabo Verde e do Brasil de cimentar este relacionamento, estendê-lo, alargá-lo e chegarmos também a uma cooperação económica e empresarial mais visível", disse.