Igreja Ortodoxa etíope acusa governo de querer destruir o Tigray TRUIR TIGRAY

  • Bandeira da Etiópia
Addis Abeba – O chefe da Igreja Ortodoxa etíope acusou o governo de querer “destruir” a região do Tigray, noticia a Agência France Press (AFP).

Num vídeo em que faz os seus primeiros comentários públicos sobre a guerra naquela parte da Etiópia, Abune Mathias, originário da mesma região, revelou que a informação vasou do país por um amigo, depois de algumas tentativas de se exprimir, terem sido censuradas pelo actual governo.

Uma tal tomada de posição pública é rara no país, desde o início do conflito que opõe o exército federal etíope às forças fiéis à Frente de Libertação do Povo do Tigray (FLPT), diz o prelado, que acusa as autoridades etíopes de trabalharem dia e noite para destruir o Tigray.

Abune Mathias, que falava em Amharique durante 14 minutos, denunciou que o governo etíope não tem pejo quando se trata de destruir os tigreanos.

No início de Novembro, o primeiro-ministro etíope, Abiy Ahmed, premio Nobel da Paz 2019, enviou as forças federais ao Tigray, para impedir a acção e desarmar os dirigentes da FLPT, que acusa de terem orquestrado um ataque contra as bases militares.

A Igreja Ortodoxa é a maior comunidade religiosa etíope, representando mais de 40% dos 110 milhões de habitantes.

Em Abril último, o secretário de Estado norte-americano, Antony Blinken, advertiu contra os iminentes “desastres humanitários” na região.

Num vídeo em que faz os seus primeiros comentários públicos sobre a guerra naquela parte da Etiópia, Abune Mathias, originário da mesma região, revelou que a informação vasou do país por um amigo, depois de algumas tentativas de se exprimir, terem sido censuradas pelo actual governo.

Uma tal tomada de posição pública é rara no país, desde o início do conflito que opõe o exército federal etíope às forças fiéis à Frente de Libertação do Povo do Tigray (FLPT), diz o prelado, que acusa as autoridades etíopes de trabalharem dia e noite para destruir o Tigray.

Abune Mathias, que falava em Amharique durante 14 minutos, denunciou que o governo etíope não tem pejo quando se trata de destruir os tigreanos.

No início de Novembro, o primeiro-ministro etíope, Abiy Ahmed, premio Nobel da Paz 2019, enviou as forças federais ao Tigray, para impedir a acção e desarmar os dirigentes da FLPT, que acusa de terem orquestrado um ataque contra as bases militares.

A Igreja Ortodoxa é a maior comunidade religiosa etíope, representando mais de 40% dos 110 milhões de habitantes.

Em Abril último, o secretário de Estado norte-americano, Antony Blinken, advertiu contra os iminentes “desastres humanitários” na região.