Clima: África reúne-se em Cabo Verde e prepara-se para COP 26 de Escócia

  • Namibe: Olivais Destruídos Devido Ao Clima/Moçâmedes/Namibe
  • Pormenor de um dos jardins da cidade do Luena em clima de quadra festiva
Cidade -Terminou na ilha do Sal, Cabo Verde, a Conferência para o Clima e Desenvolvimento em África.

 

O evento  serviu para preparar a 26ª edição da conferência das alterações climáticas da ONU, a decorrer em Novembro, em Glasgow (Escócia, Reino Unido).  

A 9.ª edição da Conferência para o Clima e Desenvolvimento em África, que decorreu desde 15 de Setembro, aconteceu de olhos postos na COP 26.

O Primeiro-ministro cabo verdiano, Ulisses Correia e Silva,  avisou que a 26.ª Conferência sobre Mudanças Climáticas da ONU, só será um sucesso se a África estiver no centro das Negociações.

“Esta conferência constitui, para os países africanos, um importante passo em frente na preparação da COP26. Constituir uma voz forte, clara e unificada em Glasgow, pois a COP26 só será um sucesso se a África estiver no centro das negociações.”

Durante a 9.ª edição da Conferência para o Clima e Desenvolvimento em África, Cabo Verde apresentou a suas ambições e experiência em ter a mobilidade eléctrica, onde segundo, o director nacional de energia, Rito Évora, o arquipélago está na linha da frente em África, em termos de estratégias e metas para a mobilidade elétrica.

“A mobilidade eléctrica vai permitir, se combinada com uma estratégia de migração de transição energética, utilizar a energias renováveis para a mobilidade e essa transição já está em curso” adiantou o director nacional de energia.

Cabo Verde tem como meta atingir 30% de produção de energia eléctrica a partir de fontes renováveis até 2025, assim como ultrapassar os 50% em 2030 e alcançar 100% em 2040.

O arquipélago tem como objectivo atingir 100% da mobilidade eléctrica em 2040, começando por substituir, até 2026, 25% da frota nacional de transportes públicos rodoviários por veículos eléctricos.

A 9.ª edição da Conferência para o Clima e Desenvolvimento em África, que terminou a 17 de Setembro de 2021,   contou com mais de mil participantes em formato híbrido, virtual e presencial e teve como tema: “Uma Transição Justa para uma Recuperação Verde e Azul Resiliente”.

 

O evento  serviu para preparar a 26ª edição da conferência das alterações climáticas da ONU, a decorrer em Novembro, em Glasgow (Escócia, Reino Unido).  

A 9.ª edição da Conferência para o Clima e Desenvolvimento em África, que decorreu desde 15 de Setembro, aconteceu de olhos postos na COP 26.

O Primeiro-ministro cabo verdiano, Ulisses Correia e Silva,  avisou que a 26.ª Conferência sobre Mudanças Climáticas da ONU, só será um sucesso se a África estiver no centro das Negociações.

“Esta conferência constitui, para os países africanos, um importante passo em frente na preparação da COP26. Constituir uma voz forte, clara e unificada em Glasgow, pois a COP26 só será um sucesso se a África estiver no centro das negociações.”

Durante a 9.ª edição da Conferência para o Clima e Desenvolvimento em África, Cabo Verde apresentou a suas ambições e experiência em ter a mobilidade eléctrica, onde segundo, o director nacional de energia, Rito Évora, o arquipélago está na linha da frente em África, em termos de estratégias e metas para a mobilidade elétrica.

“A mobilidade eléctrica vai permitir, se combinada com uma estratégia de migração de transição energética, utilizar a energias renováveis para a mobilidade e essa transição já está em curso” adiantou o director nacional de energia.

Cabo Verde tem como meta atingir 30% de produção de energia eléctrica a partir de fontes renováveis até 2025, assim como ultrapassar os 50% em 2030 e alcançar 100% em 2040.

O arquipélago tem como objectivo atingir 100% da mobilidade eléctrica em 2040, começando por substituir, até 2026, 25% da frota nacional de transportes públicos rodoviários por veículos eléctricos.

A 9.ª edição da Conferência para o Clima e Desenvolvimento em África, que terminou a 17 de Setembro de 2021,   contou com mais de mil participantes em formato híbrido, virtual e presencial e teve como tema: “Uma Transição Justa para uma Recuperação Verde e Azul Resiliente”.