COVID-19: África do Sul observa Luto pelas vítimas da Pandemia e da Violência no Género

Pretória (Da correspondente ) - O Governo sul-africano lançou hoje um apelo a todos os cidadãos a observarem um período de cinco dias de luto, em memória daqueles que perderam as suas vidas para o COVID-19 e as vítimas da Violência Baseada no Género e Feminicídio (GBVF), sigla na língua inglesa.

A informação  prestada aos jornalistas pelo Ministro da Justiça e Serviços Correcionais, Roland Lamola, da' conta de que o período de luto começará na quarta-feira, 25 do corrente e se estenderá até domingo, 29 de Novembro de 2020.

“A Bandeira Nacional em todas as instituições, será colocada a meia-haste durante os cinco dias”, acrescentou o ministro. Por outro lado o governante “encorajou todos os cidadãos a fazerem uso de trajes e ornamentos que simbolizam o luto, com base na sua cultura, tradição e crença religiosa”.

De acordo com as estatísticas mais recentes do COVID-19 em território sul-africano, foram registadas 20 mil 671 mortes e contabilizados 759 mil 658 casos positivos. As recuperações abrangem 702 544 pessoas.

Com relação ao flagelo da Violência no Género e Feminicídio, que continua a assombrar mulheres e crianças no país, os últimos dados referentes as estatísticas trimestrais descrevem ter havido uma ligeira quebra no número de crimes sexuais entre Julho e Setembro do corrente ano (altura em que o confinamento nacional ainda era intenso).

De acordo com o Ministro da Policia Bheki Cele, aquando da apresentação das statistics, adiantou que crimes de agressão sexual tiveram uma queda de 16,8%, e igualmente baixaram para 18,8% o número de casos de estupro.

Bheki Cele disse também que o terceiro trimestre de 2020 foi "perigoso" para milhares de mulheres na África do Sul, uma vez que foram notificados 8.922 casos de estupro nesse período.

Deste total, 3.578 boletins de estupro revelaram que estas ocorrências tiveram lugar nas próprias casas ou de seus perpetradores.

As provincias mais atingidas foram o Kwazulu-Natal com 710 casos, seguido por Gauteng com 578 e Cabo Ocidental com 514 crimes.

O ministro da Polícia fez notar igualmente que mais de 1 000 pessoas foram violadas em espaços  públicos como parques de diversão, praias, locais de estacionamento ou campos abertos.