Covid-19: Argélia recebe doação de 200 mil vacinas da China

  • Vacina contra à Covid-19
Argel - A Argélia recebeu esta quarta-feira 200 mil doses da vacina Sinopharm contra a covid-19, uma doação da China, parceira de longa data de Argel, indicou hoje a agência noticiosa oficial ASP.

Esta doação "vem completar o dispositivo de luta contra a pandemia", declarou o porta-voz do governo e ministro da Comunicação argelino, Ammar Belhimer, citado pela APS, à chegada das vacinas na quarta-feira à noite ao aeroporto militar de Boufarik, a oeste de Argel.

"O processo continuará e haverá outras entregas da vacina anti-covid até que as necessidades do país tenham resposta antes do final do ano", assegurou Belhimer.

Aliados ideológicos após a independência da Argélia em 1962, Pequim e Argel têm mantido relações económicas e comerciais estreitas desde os anos 1990.

No início da pandemia, a China enviou para a Argélia uma equipa de virologistas, assim como ventiladores, material de protecção e de triagem.

Este é o maior lote de vacinas que já chegou a Argel, que desde o final de Janeiro recebeu dois lotes de 50 mil doses da vacina russa Sputnik V e um outro de 50 mil doses da AstraZeneca (britânica-sueca).

Até ao fim de Fevereiro, a Argélia deverá ainda receber 700 mil a 800 mil vacinas no âmbito do programa internacional de ajuda COVAX, segundo o ministro da Saúde, Abderahmane Benbouzid.

A directora responsável pelos medicamentos do mesmo ministério, Wahiba Hadjoudja, indicou que o país mais populoso do Magrebe (44 milhões de habitantes) espera igualmente a chegada no final de Abril de nove milhões de doses do Instituto Africano para a Prevenção das Epidemias, ligado à União Africana.

Mais de 112.000 infectados, incluindo perto de 3.000 que morreram, foram registados na Argélia desde o seu primeiro caso de coronavírus a 25 de Fevereiro de 2020, segundo o Ministério da Saúde.

A pandemia de covid-19, transmitida por um novo coronavírus detectado no final de Dezembro de 2019 na China, provocou pelo menos 2,4 milhões de mortos no mundo, resultantes de mais de 112,5 milhões de casos de infecção, segundo um balanço da agência France-Presse.

Esta doação "vem completar o dispositivo de luta contra a pandemia", declarou o porta-voz do governo e ministro da Comunicação argelino, Ammar Belhimer, citado pela APS, à chegada das vacinas na quarta-feira à noite ao aeroporto militar de Boufarik, a oeste de Argel.

"O processo continuará e haverá outras entregas da vacina anti-covid até que as necessidades do país tenham resposta antes do final do ano", assegurou Belhimer.

Aliados ideológicos após a independência da Argélia em 1962, Pequim e Argel têm mantido relações económicas e comerciais estreitas desde os anos 1990.

No início da pandemia, a China enviou para a Argélia uma equipa de virologistas, assim como ventiladores, material de protecção e de triagem.

Este é o maior lote de vacinas que já chegou a Argel, que desde o final de Janeiro recebeu dois lotes de 50 mil doses da vacina russa Sputnik V e um outro de 50 mil doses da AstraZeneca (britânica-sueca).

Até ao fim de Fevereiro, a Argélia deverá ainda receber 700 mil a 800 mil vacinas no âmbito do programa internacional de ajuda COVAX, segundo o ministro da Saúde, Abderahmane Benbouzid.

A directora responsável pelos medicamentos do mesmo ministério, Wahiba Hadjoudja, indicou que o país mais populoso do Magrebe (44 milhões de habitantes) espera igualmente a chegada no final de Abril de nove milhões de doses do Instituto Africano para a Prevenção das Epidemias, ligado à União Africana.

Mais de 112.000 infectados, incluindo perto de 3.000 que morreram, foram registados na Argélia desde o seu primeiro caso de coronavírus a 25 de Fevereiro de 2020, segundo o Ministério da Saúde.

A pandemia de covid-19, transmitida por um novo coronavírus detectado no final de Dezembro de 2019 na China, provocou pelo menos 2,4 milhões de mortos no mundo, resultantes de mais de 112,5 milhões de casos de infecção, segundo um balanço da agência France-Presse.