Covid-19: Morreu líder tradicional namibiano Vekuii Rukoro

  • Bandeira da República da Namibia
Windhoek - Vekuii Rukoro, o chefe supremo do povo OvaHererero que liderou batalhas legais internacionais para levar a Alemanha a pagar reparações pelo seu genocídio no país da África Austral, morreu de covid-19.

O proeminente líder tradicional namibiano morreu ao início do dia de hoje, disse à agência AP o secretário-geral do Ovaherero/OvaMbanderu e do Conselho Nama, Mutjinde Katjiua.

Rukoro, que foi eleito Chefe Paramount do OvaHerero em 2014, representou ambos os grupos étnicos nos processos jurídicos internacionais.

Rukoro e outros chefes tradicionais aceitaram a oferta de compensação da Alemanha, mas disseram que esta deveria ser melhorada através de mais negociações, enquanto alguns outros líderes tradicionais a rejeitaram.

No mês passado, o governo alemão pediu desculpa pelos massacres da era colonial e concordou em pagar 1,1 mil milhões de euros à Namíbia durante um período de 30 anos.

No que é agora reconhecido como sendo o primeiro genocídio do século XX, os massacres em massa do povo OvaHerero e Nama foram perpetrados pelas forças coloniais alemãs entre 1904 e 1908.

A Namíbia está actualmente a sofrer um surto de covid-19. A média móvel de sete dias de novos casos diários mais do que duplicou nas últimas duas semanas, de 17,31 novos casos por 100.000 pessoas, a 03 de Junho, para 49,13 novos casos por 100.000 pessoas, a 17 de Junho, de acordo com a Universidade Johns Hopkins.

A Namíbia, um país de 2,5 milhões de pessoas, tem um total acumulado de pouco mais de 70.000 casos confirmados, incluindo 112 mortes, de acordo com os Centros Africanos de Controlo e Prevenção de Doenças.

O actual surto levou o governo a restringir o movimento de entrada e saída da capital, Windhoek, bem como a restringir as reuniões públicas a 10 pessoas.

O proeminente líder tradicional namibiano morreu ao início do dia de hoje, disse à agência AP o secretário-geral do Ovaherero/OvaMbanderu e do Conselho Nama, Mutjinde Katjiua.

Rukoro, que foi eleito Chefe Paramount do OvaHerero em 2014, representou ambos os grupos étnicos nos processos jurídicos internacionais.

Rukoro e outros chefes tradicionais aceitaram a oferta de compensação da Alemanha, mas disseram que esta deveria ser melhorada através de mais negociações, enquanto alguns outros líderes tradicionais a rejeitaram.

No mês passado, o governo alemão pediu desculpa pelos massacres da era colonial e concordou em pagar 1,1 mil milhões de euros à Namíbia durante um período de 30 anos.

No que é agora reconhecido como sendo o primeiro genocídio do século XX, os massacres em massa do povo OvaHerero e Nama foram perpetrados pelas forças coloniais alemãs entre 1904 e 1908.

A Namíbia está actualmente a sofrer um surto de covid-19. A média móvel de sete dias de novos casos diários mais do que duplicou nas últimas duas semanas, de 17,31 novos casos por 100.000 pessoas, a 03 de Junho, para 49,13 novos casos por 100.000 pessoas, a 17 de Junho, de acordo com a Universidade Johns Hopkins.

A Namíbia, um país de 2,5 milhões de pessoas, tem um total acumulado de pouco mais de 70.000 casos confirmados, incluindo 112 mortes, de acordo com os Centros Africanos de Controlo e Prevenção de Doenças.

O actual surto levou o governo a restringir o movimento de entrada e saída da capital, Windhoek, bem como a restringir as reuniões públicas a 10 pessoas.