Frelimo saúda PR moçambicano pelo anúncio da trégua com Renamo

  • Bandeira da Frelimo
Maputo - A Frelimo, partido no poder em Moçambique, saudou hoje o Presidente moçambicano pela trégua na perseguição à autoproclamada Junta Militar da Renamo, um grupo dissidente da principal força de oposição acusado de protagonizar ataques no centro do país.

"Para nós, é mais um momento de encorajar o camarada Presidente e saudá-lo pela busca constante da paz", declarou o porta-voz da Frente de Libertação de Moçambique (Frelimo), Caifadine Manasse, durante uma conferência de imprensa hoje em Maputo.

A trégua, anunciada pelo chefe de Estado moçambicano no sábado, durante um retiro da Frelimo em Pemba (Cabo Delgado), começou no domingo e terá a duração de uma semana.

Para o porta-voz da Frelimo, a trégua é uma oportunidade para "a Renamo se reencontrar", dialogando internamente para a resolução definitiva do problema que existe há pouco mais de um ano.

"Queremos apelar à Renamo para que aproveite esta oportunidade para dialogar internamente, de forma a que esta situação da Junta Militar da Renamo fique no passado", declarou Caifadine Manasse.

Em declarações hoje à Lusa, Mariano Nhongo, líder dissidente daquela guerrilha, disse estar disponível para "negociar com o Governo" uma solução para acabar com os ataques armados do seu grupo no centro do país.

"A Junta Militar está disposta a negociar com o Governo, mas só se for uma negociação de verdade", disse em declarações por telefone, em reação à trégua anunciada.

A Junta Militar da Renamo é um movimento de ex-guerrilheiros dissidentes do principal partido da oposição de Moçambique que contesta o líder eleito no congresso de 2019, Ossufo Momade, e as condições de desmilitarização, desarmamento e reintegração por ele negociadas com o Governo.

O grupo surgiu em Junho de 2019 e ameaçou pegar nas armas caso não fosse ouvido nas reivindicações de destituição da liderança da Renamo e quanto a uma renegociação do acordo de paz que Momade assinou em Agosto do último ano com Nyusi.

A violência acontece na mesma altura em que o país enfrenta uma crise humanitária no norte, na província de Cabo Delgado, onde uma insurgência armada que dura há três anos já provocou entre 1.000 a 2.000 mortos e 300.000 deslocados.

"Para nós, é mais um momento de encorajar o camarada Presidente e saudá-lo pela busca constante da paz", declarou o porta-voz da Frente de Libertação de Moçambique (Frelimo), Caifadine Manasse, durante uma conferência de imprensa hoje em Maputo.

A trégua, anunciada pelo chefe de Estado moçambicano no sábado, durante um retiro da Frelimo em Pemba (Cabo Delgado), começou no domingo e terá a duração de uma semana.

Para o porta-voz da Frelimo, a trégua é uma oportunidade para "a Renamo se reencontrar", dialogando internamente para a resolução definitiva do problema que existe há pouco mais de um ano.

"Queremos apelar à Renamo para que aproveite esta oportunidade para dialogar internamente, de forma a que esta situação da Junta Militar da Renamo fique no passado", declarou Caifadine Manasse.

Em declarações hoje à Lusa, Mariano Nhongo, líder dissidente daquela guerrilha, disse estar disponível para "negociar com o Governo" uma solução para acabar com os ataques armados do seu grupo no centro do país.

"A Junta Militar está disposta a negociar com o Governo, mas só se for uma negociação de verdade", disse em declarações por telefone, em reação à trégua anunciada.

A Junta Militar da Renamo é um movimento de ex-guerrilheiros dissidentes do principal partido da oposição de Moçambique que contesta o líder eleito no congresso de 2019, Ossufo Momade, e as condições de desmilitarização, desarmamento e reintegração por ele negociadas com o Governo.

O grupo surgiu em Junho de 2019 e ameaçou pegar nas armas caso não fosse ouvido nas reivindicações de destituição da liderança da Renamo e quanto a uma renegociação do acordo de paz que Momade assinou em Agosto do último ano com Nyusi.

A violência acontece na mesma altura em que o país enfrenta uma crise humanitária no norte, na província de Cabo Delgado, onde uma insurgência armada que dura há três anos já provocou entre 1.000 a 2.000 mortos e 300.000 deslocados.