Inflação na Nigéria empurra sete milhões de pessoas na pobreza

  • Mapa da Nigéria
Abuja – Uma inflação acompanhada por um forte aumento dos preços de bens alimentares empurrou cerca de sete milhões de pessoas na pobreza, indica um relatório do Banco Mundial publicado terça-feira, e citado pela AFP.

 

Os preços dos bens alimentares representaram mais de 60 % do total da inflação, refere o relatório.

Aquela que se considera a maioria economia de África, entrou em recessão, em 2020, provocada pela Covid-19, e pela queda dos preços do petróleo, a sua principal fonte, antes de uma fraca retoma no inicio de 2021.

"Em 2020, a economia nigeriana encolheu menos (-1,8%) do que o previsto no inicio da pandemia (-3,2%). Mas, não obstante a retoma do crescimento, os preços continuaram a aumentar rapidamente, afectando severamente os lares nigerianos", explica o relatório.

Entre Março de 2020 e Março 2021, os preços aumentaram de 18,17% na Nigéria, segundo o Bureau nacional das estatísticas, seja, a taxa mais importante registada desde há quatro anos.

Segundo o World Poverty Clock, que utiliza os dados utilizados pela ONU, FMI e o Banco Mundial, 41 % da população nigeriana, seja, cerca de 87 milhões de pessoas, vivem com menos de 1,90 dólar por dia.

"A Nigéria enfrenta desafios como a inflação, falta de empregos e insegurança ", nota o director do Banco Mundia para a Nigéria, Shubham Chaudhuri.

A outra inflação, o aumento do desemprego colocou na rua um terço da mão-de-obra nigeriana, em 2020, segundo o bureau das estatísticas.

 

 

 

Os preços dos bens alimentares representaram mais de 60 % do total da inflação, refere o relatório.

Aquela que se considera a maioria economia de África, entrou em recessão, em 2020, provocada pela Covid-19, e pela queda dos preços do petróleo, a sua principal fonte, antes de uma fraca retoma no inicio de 2021.

"Em 2020, a economia nigeriana encolheu menos (-1,8%) do que o previsto no inicio da pandemia (-3,2%). Mas, não obstante a retoma do crescimento, os preços continuaram a aumentar rapidamente, afectando severamente os lares nigerianos", explica o relatório.

Entre Março de 2020 e Março 2021, os preços aumentaram de 18,17% na Nigéria, segundo o Bureau nacional das estatísticas, seja, a taxa mais importante registada desde há quatro anos.

Segundo o World Poverty Clock, que utiliza os dados utilizados pela ONU, FMI e o Banco Mundial, 41 % da população nigeriana, seja, cerca de 87 milhões de pessoas, vivem com menos de 1,90 dólar por dia.

"A Nigéria enfrenta desafios como a inflação, falta de empregos e insegurança ", nota o director do Banco Mundia para a Nigéria, Shubham Chaudhuri.

A outra inflação, o aumento do desemprego colocou na rua um terço da mão-de-obra nigeriana, em 2020, segundo o bureau das estatísticas.