Libertados dezenas de estudantes raptados no sábado na Nigéria

  • Mapa da Nigéria
Kano, Nigéria - Dezenas de estudantes raptados no sábado à noite por homens armados no noroeste da Nigéria foram libertados hoje, graças à intervenção armada de um grupo de autodefesa, disse à AFP um porta-voz da polícia local.

No sábado à noite, "80 estudantes que regressavam à sua aldeia de Mahuta, no estado de Katsina (...) foram raptados por bandidos, que já tinham raptado quatro pessoas e roubado 12 vacas", disse o porta-voz, Gambo Isah, adiantando que as "84 pessoas raptadas foram resgatadas" hoje de manhã.

As crianças foram raptadas no sábado à noite perto da aldeia de Baure, quando regressavam com os seus professores de uma cerimónia religiosa numa aldeia próxima, disse à AFP o chefe de uma milícia de autodefesa, Abdullahi Sada.

Quando a notícia chegou a Mahuta, a cidade onde viviam as crianças, os residentes e os vigilantes do grupo de autodefesa mobilizaram-se e partiram em busca dos raptores, que foram rapidamente identificados como membros da comunidade de pastores 'fulas', acrescentou.

"Invadimos a sua área, sabíamos que eles tinham as crianças e também sequestramos alguns membros da comunidade, avisando que se alguma coisa acontecesse aos nossos filhos, nenhum 'fula' viveria mais aqui", acrescentou o Sada.

A operação "desalojou os bandidos e salvou as 84 vítimas raptadas", disse o porta-voz da polícia, acrescentando que a polícia continua a "prender os bandidos" e que foi aberta uma "investigação".

Grupos armados, conhecidos como "bandidos", por vezes com várias centenas de membros, têm vindo a aterrorizar as zonas rurais no centro e noroeste da Nigéria há vários anos, levando a cabo roubos e raptos de gado em grande escala.

Os residentes criaram grupos de vigilantes para se protegerem, mas não conseguiram travar a violência, que causou a morte de cerca de oito mil pessoas desde 2011.

Este último rapto de crianças em idade escolar ocorreu 48 horas depois da libertação de 344 crianças e adolescentes, raptadas de um colégio interno em 11 de Dezembro por criminosos que operam em nome do grupo 'jihadista' Boko Haram na mesma região da Nigéria.

No sábado à noite, "80 estudantes que regressavam à sua aldeia de Mahuta, no estado de Katsina (...) foram raptados por bandidos, que já tinham raptado quatro pessoas e roubado 12 vacas", disse o porta-voz, Gambo Isah, adiantando que as "84 pessoas raptadas foram resgatadas" hoje de manhã.

As crianças foram raptadas no sábado à noite perto da aldeia de Baure, quando regressavam com os seus professores de uma cerimónia religiosa numa aldeia próxima, disse à AFP o chefe de uma milícia de autodefesa, Abdullahi Sada.

Quando a notícia chegou a Mahuta, a cidade onde viviam as crianças, os residentes e os vigilantes do grupo de autodefesa mobilizaram-se e partiram em busca dos raptores, que foram rapidamente identificados como membros da comunidade de pastores 'fulas', acrescentou.

"Invadimos a sua área, sabíamos que eles tinham as crianças e também sequestramos alguns membros da comunidade, avisando que se alguma coisa acontecesse aos nossos filhos, nenhum 'fula' viveria mais aqui", acrescentou o Sada.

A operação "desalojou os bandidos e salvou as 84 vítimas raptadas", disse o porta-voz da polícia, acrescentando que a polícia continua a "prender os bandidos" e que foi aberta uma "investigação".

Grupos armados, conhecidos como "bandidos", por vezes com várias centenas de membros, têm vindo a aterrorizar as zonas rurais no centro e noroeste da Nigéria há vários anos, levando a cabo roubos e raptos de gado em grande escala.

Os residentes criaram grupos de vigilantes para se protegerem, mas não conseguiram travar a violência, que causou a morte de cerca de oito mil pessoas desde 2011.

Este último rapto de crianças em idade escolar ocorreu 48 horas depois da libertação de 344 crianças e adolescentes, raptadas de um colégio interno em 11 de Dezembro por criminosos que operam em nome do grupo 'jihadista' Boko Haram na mesma região da Nigéria.